TUDE CATCHORRE TEM SÊ SEXTA-FERA

El era mute riguroze e, pa tude e pa nada el tava dá carre de bitche matode na Matador pa inapte pa desuspere de quem tava matá sê boi ô sê tchuque. Tcheu dês dá na quebra pamode el, quê el tava mandá log betá quês carre fora, quemás ô interrás lá pa quês banda de Rebera d’Vinha

Quel dia lassim, era um sexta-fera moda tude otes, sô que madrugada, Soncente em pese cordá c’um tire forte ta bem deboxe de tchon prolongode num BUUUMMM... que ninguém na terra na momente sube explicá, siguide dum ladrar de catchorre pegode de ponta, em prigue de surdá uvide de gente de terra.

Basta, lá na Praia de Bote tude quês pescador que tava fazê daquês bote sês moradia, pô ta cordá, ta sei deboxe dês tude alvoroçode c’areia inda ta tremês deboxe de pé, trançode c’aquel trupida de gente t’abri sês porta e otes já ta bem desuriantode de tude ponta ta perguntá cumpanher qsê qu’era quel barulhe e qsê que tava ta passá?!

Dzide pa boca de quem sabia más, cma fui um prublema d’orija vulcaneque, de libertaçon de gaze deboxe de tchon. E, lá na Télégrafe dvera sismógrafe tinha registode um liger tremor de terra c’epicentre lá p’aquês lode de Vulcon de Viana.

Cantai, puxador de zorra que tava estode sempre lá pa quês banda log cidim ta espiá que catá, bem ta tchegá cumpanhode de Pinha sê cumpanhera e grande amor, casal fiel cunchide na terra pa Pinha má Cantai, moda também tinha Rolha ma Tabac e Bela ma Chima.

E ês, quonde ês ca tava otchá traboie na Cais d’Alfandega ô ága pa carregá, tava sei pa rua ta vendê cosa fete pa mon d’artista, moda quês pente de pau de laranjera binde de SanAnton, util pa pintiá cabilim de nylon e catá pove pioie na cabeça, ma quês soque fete de semintinha castonhe ma santa-clara brumedje e prete, completode c’aquês navizim ma passarim, verdader obra de arte, fete de tchife de boi, pa Djoca ma Carlis de Nha Cristina, Nai, Côcô, Ninclau de Nha Mari das Neves etc...etc.,

Djunte ma Pinha, ês bem ta tchegá p’orela de Praia de Bote c’tude quês cosa espundrode na pescoce pa vendê, moda de custume, ondê quês bem incontrá Dade sê irmon, Morna,Tchussê e Aimônca ma uns data de gente já arguide pa mode quel abole.

Quel dia na terra, ca tive ote conversa senon sende quel barulhe que pô tude gente n’alvaroce c’mede e c’razon quê cosa fui prop forte. Era, vezim cordode ta perguntá vezim qsê que tinha passode ?! Ma, enton depôs pove bem calmá quê Radio Clube Mindelo na sê difuson de plumanhã cabá de confirmá pa nota recibide de Télégrafe Inglês, cma terra tinha trimide quel note, ma que tude já tinha passode. E, c’aquel tire daquel sisme tinha saide dvera lá pa quês banda de Calhau perte de Vulcon de Viana!…

Gente na terra tive inda uns dia ta falá daquel cosa, cada um na Ilha ta contal de manera quel vivel. Basta, tê tive gente na Praia Formosa na SanAnton que tive el sintide também.

Dator Socrates indione, antigue director de Spital na Soncente que diazá já tava estode que sê espin de robe de moreia travessode na guela, contra quês barulhada e malcriaçon de catchorre de Soncente na rua de cidade de Mindelo. Proveitá log de situaçon daquel note infernal de barulhe, pa reduzi quês animal a silence.

E, enton pal resolvê quel problema, el pedi tropa mandrongue de cumpainha de caçadores perte de Praça Nova que já era diasá cstumode na dá catchorre bocode c’pastel de venene, p’ijdal.

Nesse ideia, bem juntá Presidente de Cambra Municipal, pa dirigi operaçon de mandá panhá tude catchorre quês pudesse, pa pôs na coima lá na Matador Bedje na Monte durante uns dia, tê que sês done bass pagá pa traz da lá, quê senon ês tava cabá pa ser matode, dode pastel de venene.

Enton, lá na Cambra Municpal de Soncente, fui reunide um consei de guerra ma tude quês amdjor panhador de catchorre de terra, uns era barredor, otes magarefe (matador de bitche na Matador) de professon. Já naquel tempe antigue que tava marrode catchorre c’linguiça, alguns nome dês panhador de catchorre, fecá gravode na mimória de gente de Soncente pa sempre, mode sês runheza, moda :

- Quitole magarefe que ca tava brincá mode el tinha um cone sô. Ma tude sês irmon de nome, Fragatinha Antone Dêrola, John Fatiguinha e Reste e Franck Rebenta Bexiga tude ês dum familia sô de gente escoroçode que ca tinha mede de nium criston, moda tava dzide na época, quê mi inda mi n’era nascide. Stora contode pa nha tia avô Nha Júlia Martina (Zia), Deus dal Céu.

Exe nome lissim, ê sô pa recordaçon d’antigamente dês que fecá gravode na storia de tchon de Soncente cma panhador de catchorre na nôs rua de Mindelo.

Ma, naquel época de Dr.Socrates que nôs tude conchê, tinha quês bunzim que também nô ca podê esquecê, pa sês runheza cunchide na praça, contra aquês pobre bitche moda quel mau daquel CERIL (sadic), barredor qu’era bom panhador de catchorre, ma dode na touturás cum arame quel tava passás na pescoce pertode, sacornode quaz pa fogás. Tinha também, uns más moderode moda Jack de SanNinclau, Amâncio de Fonte Francês e más otes que ca tita beme grinhasim na mimória.

Quel panhar de catchorre na nôs rua, era sempre um drama quê gente de Soncente na tude sês “Morabeza”, ca tava gostá nem aceitá d’oiás ta maltratá quês bitche daquel manera.

Enton, ta tinha sempre prublema entre gente na rua ma quês panhador de catchorre, c’intervençon de pliça. Pamode na terra, tude gente na casa ta tinha sês gatim ma sês catchurrim de mizade, quês tava tratá mute bem e que tava fazê parte de sês animal d’estimaçon.

Assim, quonde ês tava oiá maldade na bitche, raiba tava dás e ês ca tava dexá quês barredor fazê sês traboie. Pliça tinha que bem sempre pa manté orda e cabá c’aquês confuson, quê senon ês era capaz tê de matá, sobretude Ceril.

Bitche de estimaçon era cosa que ca tava faltá na casa de gente de nôs terra.Pa galantaria, bsote lembrá de nôs tia Danguinha ma sê Chemy cadilinha branca q’ela trazeba de Lisboa chei de esparatin.

Dr. Socrates, qu’era Dator de Spital, também tava fazê de veterinare e bá visturiá bitche matode legalmente na Matador, pa depôs quês carre pudesse ser vindide na Plurim de Carre pa gente cmê.

El era mute riguroze e, pa tude e pa nada el tava dá carre de bitche matode na Matador pa inapte pa desuspere de quem tava matá sê boi ô sê tchuque. Tcheu dês dá na quebra pamode el, quê el tava mandá log betá quês carre fora, quemás ô interrás lá pa quês banda de Rebera d’Vinha.

Basta um vêz, el ruiná quel cuitode de prîme Jon, cunchide na terra pa ‘’Chá da Gaita’’mode el qu’um vez num butzode tinha cmide 54 bolachinha e 36 chicrinha de chá. Pobre prime Jon, rapaz nove que tinha rancode que sê primer negoce c’uns monzada de tchuque, pa fornecê carre pa pove de Soncente, binde de Tarrafal de SanTiago, na naviu Rex de Capton Jesuino.

Quês tchuque ca tinha nium doença, prublema ê sô porque despôs dum grande viaja, desimbarcode, ês fecá tcheu tempe na Sol lá na quintal de Matador e ês cumeçá ta morrê um trás d’ote, log Dr.Socrates dzê, cma quês tchuque tava tude buze (doença por nome de chaveira) e que ca tinha ote soluçon senon sende de mandá matás tude e betás fora. Cuitode de prime Jon, perdê 10 grande tchuque, dá negoce cabá na el pra vida e nunca mas el pude rancá, quê el dá na lama.

Assim, gente de Soncente que sempre estimá sês bitche, ca tava perdoá Dator Socrates, más pa mode sês runheza e sobretude tude exe peripécia de relaçon de nôs pove ma sês animal de estimaçon quel ca tava ceitá.

Enton, cma pove ca tava podê descontá sês raiba, quem tava pagá tude culpa era quês pobre panhador de catchorre. Basta dia que Ceril, ma Jack d’SanNinclau e Amâncio de Fonte-Francês tava saí ta panhá catchorre, telifone de moreia tava corrê log ta passá quel mensaja pa tude banda, e de porta a porta p’assim tude alguém pudesse marrá sê catchurrim na casa e fecaba ta goitá, pa defendê catchurrim dos’otes.

Quês abole espetacular na hora de panhá catchorre tava contecê más era la pa quês banda de Plurim de Virdura ô Plurim de Pexe, lugar ondê que tava tem sempre más catchorre mode venda de cmida.

Prublema tava piorá, era quonde ta tinha um cadela na lua, era log um xatisse naquês rua de Mindelo mode quês espetacle natural, ma imoral dum data de catchorre trás daquel cadelinha ta crê pol el, enton de vez inquande era cada guerra sem done de catchorre. E, cuitode daquel que fecaba por boxe quê tude quês ote tava bem tral um buquenhada. Era, um barulhada bastante espetacular ma que tava intchi rua de Soncente de pirrraça, ondê que cada um tava proveitá logue d’ocasion pa mandá sês boca. Eheheh…

Lá enton, ê que “loreta ta sentá pele”, log que tava parcê quel brigada de Ceril c’sês carrim nove quadrode c’tampa pa fetchá catchorre e roda de pneu pa ca fazêba barulhe e panhás de surpresa. Era sô viste quel figura carismática de Ceril, armode daquel pau ma loce d’arame, armadilha quel tinha grande hablidade n’infiá quês catchorre na pescoce quel tava trazê log sacornode, quaz ta fogás, o que tava fazê log raiba de pove.

Partida ca tava cabá, quê tinha catchorre que tê já tava conchê quel brigada de Ceril, e ondê quês parceba, log ês tava pô ta ladrá contra ês mau demunde ô enton ês tava dá de sola, pa Ceril ca panhás!

Moda storia de Mike, quel catchorre de Nhô Quim Chavinha que Ceril um dia inrrocal na Praia de Bote, cercal camin de casa. Mike esperte pafronta, corrê pa Cais Numbre Um, debangá na mar e bá ta nadá, deboche de Cais Nacional tê saí lá pa quês banda de Cais d’Alfandega, pa ligria de sê done e tude quel pove de Praia de Bote, seque russe t’arri e ta tocá tê palma, ta sisti quel cena. E, Mike quel dia na casa tive tê raçon duple.

É de lembrá um dia que Ceril, parcê ta bem ta mascá sê monfetchode quel tinha comprode la na Dminga Badia na rua de Matijim, derapente la na rua, na porta de Plurim de Pexe, el dá um bom redada, quê era um moda nova quel ranjá de panhá catchorre e, assim c’aquel rede el panhá tude gente de surpreza.

Ma, lá sei log um pate-pate de fadiga, mode el que tinha panhode quel dia p’abuse sô quês catchorre bnite, bem tratode e de gente que tava podê pagá coima. Quês ote catchorre cosserente, chei de sarna, doente que tava pra lá, Ceril ca nem espiás, moda num espece de provocaçon. Enton, gente vassalode c’aquel redada que fazê Ceril intchi sê corre de catchôrre nuns minute.

Gente, pô log ta descompol ma ta rogal sô praga mau. E, cosa bá ta infetá tê qu’um boys, influide intchi de coraja, bá ta corrê, abri quel tampa de carrim de Ceril. Dá, tude quês catchorre que já divia ser uns dez, sei da lá dentre ta corrê deboxe de grite e ligria de tude quel pove contente e ta tocá quel boys palma mode el que salvaba tude quês catchorre vida !...

Fui log um xatisse, quê nôs Ceril que mede daquês gente dal pancada tchemá log pliça que bem ta corrê dum monzada, cabá c’aquel revolta de pove e prendê quel boys corajose que tinha soltode tude quês catchorre. Boys, foi fetchode na cadeia c’um processe sumare na corpe que foi um cosa sô.

E, na dia siguinte cma notícia corrê, quel pove tude djunte cambá Tribunal pa bass sisti julgamente pensonde cma quel boys, tava ta bá levá sô um raspanete de parte de Sr.Dr.Juiz. Ma, inflizmente cma el era fidje de pobreza, Sr.Dr. Juiz dzê cma era um sentença ixemplar, e condenal que três mês de cadeia pa tristeza de tude gente. Cosa fui considerode dum grande injustiça e pove de Mindelo fecá prop revoltode.

Boys, fui log levode pa Furtim. E, Senhor Ceril tude bajofe, chei de manias, tive infeliz ideia de sei de Tribunal daquel banda ondê que pove tava juntode e já invenenode c’aquel decison de Sr.Dr.Juiz, sem ramede nem ricurse. Quonde ês oial somá, ês queris sô matal se ca fosse Espîrte de Sônte, oficial de deligência, impregode de Tribunal.

E, fui lá enton que na mei de tude quel rebolice de pove, bem parcê Nha Jona Tchuca, pretona de linga pintode, oie brumedje, betadera de carta ma ijgadera de buze pa espiá sorte, pessoa que tude gente na terra tinha mede de sês praga qu’era dá pegá.

Enton, pove abri passaja pa dexá Nha Jona Tchuca passá, fazê silencie e ela d’altura sê tamonhon, grandona moda el era, bem ta vançá c’sês passada lorgue e roze pa Ceril, pol mon na peite e sempre ta falá, ela bazal um sorte.

Ela ba ta dzel assim naquel voz rouc e monse d’seu, más d’home do que d’amdjer, na mei de tude quel pove que tava tude djunte ma ela, cma :

- Tude maldade que bô tem fete na camada de catchorre que bô sabê cma inflizmente nem boca ês tem pa falá, ca tebe tchegode?!... Agora, já bô bem fazês tê po’m nha subrim três mês na cadeia pa Furtim n’ê dvera?! Ceril… Ceril, temara bô subesse cma TUDE CATCHORRE TEM SÊ SEXTA-FERA, Ceril !!!

- Apôs Ceril, pa catchorre que bô é e catchorre bô ta fecá! Praga qu’um ta pedibe ê que bô tem que morrê seque russe num sexta-fera. E.. E… E... TA LADRÁ, Ceril!…

Log na mei daquel pove, parcê um monzada de gente ta esconjurá, otes ta benzê nome de “Pai, Fidje, Espirte de Sonte. Amen!!!” que mede daquel linga pintada da “sobre dita cuja” Nha Jona Tchuca e sês poder cunchide de gente de Soncente!!!

E, p’ ironia de destine e pa más absurde qu’ês Storia podê parcê bsote?! Apôs, uns one despôs, nôs Ceril que tinha tcheu culpa na cartore, bem caí doente e morrê justim num sexta-fera ta LADRAAAA!!! Absurde?!... Não?!

Zizim Figuera (José Figueira,jùnior)

V O L T A R


Comentário:

Dear Zizim,Par ti é bom dia mas para nós cá em Sidney-Autrália é boa noite! Enfim assim é o Mundo sempre tornando á volta do Sol e nós a seguirmos.Mas o principal é que haja saúde e muita força para nós todos afim de podermos continuar a viver esses bons momentos da nossa terra São Vicente Cabo Verde através das tuas estórias que nos engloba a todos no mais profundo dos nossos afectos. Qual é o "mnine de Soncente" do nosso tempo que não se lembra daquel mau do Ceril e a praga de lingua pintada que lhe jogou Nha Jona Tchuca a nossa "ptadera de sorte e ijgadera de buze".E Ceril que morreu a uivar e ladrar como um cão segundo disse o povo.Deveras absurdo, nha broda.Obrigado por mais essa que a malta adorou e pede mais.Até próximo domingo.Rijo abraço nosso Terencio

Terencio Lopes                 terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro amigo e Sr.Z. Figueira,Como sempre cá vim espreitar após o meu café da manhã e encontrei esta sturinha maravilhosa que me arrastou ao mais profundo das peripécias de vida da nossa terra S.Vicnet que eu pequenina não tiva a sorte de viver.Mas felizmente que os meus pais estão cá para me fazer reviver com espanto e admiração todas essas estórias tão bem contadas e que todos eles viveram.Isso me faz ficar cada dia mais próximo das minhas origens pelo que muito lhe agradeço.Os meus se lembrm bem de tudo o que aí relatou me dizendo que era mesmo assim.Enfim mais uma vez adorei! Bom domningo e muita saúde para si.Um beijinho Gilda

Gilda Barbosa Leite                gildableite@gmail.com


Comentário:

Uma estória tipicamente Mindelense São Vicentina.Pois me lembro muito bem dessas cenas de apnhar cães nas nossas ruas com sadomasoquista do Ceril impavido e sereno enfrentando a raivosa população.Parabens ao autor pelo retrato fiél e muito bem escrito no nossa lingua.Rijo abraço Pedro

Pedro L.Martins               plmartins@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Más um relate daquel tempe de nôs memória colectiva. Quês "uivá" daquês catchorre tava dá-me um pancada na coraçon...Ma,Zizim, min pensá cma tava dzide "Pina ma Cantai", afinal é mesme Pinha ma Cantai...e casal de grande amor...Ma, esse texte tem tche... u informaçon - quel dificuldade de criá quês limária e dp. por talvez prepotência ês tava ser quemode... Presença de força de poder oculte naquel morte daquele caçador de catchorre.Mas antes naquele "tremor de terra"... É nôs realidade d'ones 50! Por isse, bôs storia tem tcheu infrmaçon preciose de nôs passode.Braça Maguy

Maria Margarida Alfama Fragoso                 magyalfama fragoso@gmail.com


Comentário:

Ess estória prop sabe de Zizim ta fazê-m lembrá um catchorr c´um tive, c´um´pô nome de " Sem nome" talvez pa falta de imaginaçom. Nô tinha lá na casa, que criá ma nôs, Chiquinha, que era piqnim, e que ê também conhicid pa pel de rote e venene. Porque...? Criativida e humor n'abuse de gente de Soncente, por causa de um grande cicatriz quel tinha na missa cabéça onde ca tava criá cabel mode um doença quonde el era bêbê. Escusode ê m´dzê que Chiquinha que tem poc más que um metre d´altura ê malcriada,ca ta levá abuse pa casa e tava brigá ma home, dód de soc e rolóde na tchon. Chiquinha ta encaixá mute bem naquel aforismo Inglês que ta dzê. No matter the size of a dog in war, but the size of the war in the dog. N´ton um vez ês panho'n nôs catchorre lá na pórta de cása.Chiquinha vrá quel home mon, el ptá-l na tchon el largá-l dos grom de soc el abri pórta daquel carrim el trá nôs catchorr e el queria infiá quel home la prá dentre, quonde bem nha Clara Coronel e Adriane quês bem ptá-l aga na sê firvura, assim el largá-l da mon e trazê nîos bitche pa casa. Chiquinha ainda ê vive ê ela ta morá la na Campim. Tcheu bráça pa nha irmã de criaçon. E um ubrigada e parabens a Zizim. Luis

Luis Afonso Ferreira Santos                   luisaffersantos@gmail.com


Comentário:

Ha varios anos que leio a as Storias do Zizim Figueira e esta é uma das minhas favoritas, talvez pela satisfação que sempre sinto quando a vida nos recorda que afinal sempre ha Justiça entre a Terra e o Ceu. Tudo Catchorre tem se sexta fera.Tem pois! As vezes, as injusticas que grassam neste Mundo levam nos as duvidar disso mas depois... eis que eventos nos levantam de novo a esperanca. A Justica dos homens e dispar para pobres e para ricos, isso ja sabemos e é tão velho quanto a criação do sistema do Homem julgar o Homem numa maquina chamada Justiça. O sobrinho de Nha Jona Tchuca era filho da pobreza e como tal foi condenado. Mas, a outra Justica, que nao conhece pobres nem ricos, essa, fez o Ceril passar desta vida efemera numa sexta feira e abriu a boca dele para ladrar. Praga de injustiçado pega! O meu respeito pela força e intensidade do sentir dos injustiçados é enorme e Nha Jona rogou praga e ela caiu mesmo. Saude e vida longa para nos trazeres a Historia do teu Povo eh o que te desejo e os votos de um excelente dia de Domingo.Abarço Herminia
Herminia Ferreira                     herminia.ferreira@netcabo.pt


Comentário:

Zizim força e saúde... Parabéns por uam história da nossa terra...Mantenha desde cá do exílio


Henrique De Pina Cardoso                hpcardoso@mail.telepac.pt


Dear Zizim, Tomei hoje um tempinho após a leitura da tua STORIA só para te dizer o quanto adorei, como sempre tal como a da semana passada. Pois tens mesmo cada Storia que até parace ficção para quem que não viveu em Cabo Verde! Pois esta está mesmo tipicamente nossa, de "PTÀ PRAGA NA GENTE"! E o pior é que essa do Ceril pegou mesmo, e assim por coincidência, agora o povo fica mesmo acreditando que há pessoas de poderes sobre naturais. Além de curtir sa tuas storias, que estão cada vez mais elaboradas e bem escritas, também aprendo muito sobre São Vicente, dum tempo que já não vivi lá. Pois saí com 17 anos, em 1960 e portanto há imensa coisa que não me lembro mesmo. Essa de tremor de terra me lembro de ouvir meu pai falar por exemplo do susto que teve toda aquela gente nossa. A tua reacção como explicas ali na escrita dá para se sentir isso. Pensa sériamente de publicar tudo isto em LIvro e se precisares de mim cá estou para te ajudar a não deixar perder todos estes VALORES que são testemunhos de uma época que já não volta mais. E um dia os Historiadores vão precisar para ensinar as novas gerações que não teem hoje a minima ideia de como se vivia lá. Todo aquele humor, as figuras tipicas que todo o mundo conhecia e faziam parte dos nossos afectos..., isso tudo vai ficar no esquecimento, se não deixares essa legacia bem documentada, devidamente organizada. Ainda espero e torço para que faças isso.Força e coragem sempre. Um beijo JU

Judith Wahnon                    juwahnon@aol.com


V O L T A R

Caro Zizim de Ti Djô Figueira, Claro que me lembro tintin por tintin deste quadro pitoresco de "Panhá catchorre e de todas estas peripécias passadas na tchon de nôs Soncente" que tão bem tens sabido pintaa... Que espectáculo! E o povo ficava furioso contra o famigerado Ceril que defacto morreu "ta ladrá" lá na Fonte Francês por causa daquela praga de Nha Jona Tchuca. Todos gostamos e continuamos pedindo mais. Um abraço do teu amigo de infancia GUEY


Miguel M.Monteiro               mucimdreberabote@cvtelecom.cv


Bom dia Zizim, Levantei-me só agora e vim logo espreitar no Liberal para saber das notícias da nossa terra Cabo Verde e ver se estavas ali fiél ao posto, e como sempre aí estás para alegria de todos nós em especial aos domingos. Gostei imenso e o pessoal como sempre logo vai também adorar. Uma vez que já me telefonaram dizendo se há estória, para não esquecer de levá-la para a Associação. Pois logo vamos ter uma "CATCHUPADA"ali com todos os ingredients. És servido? Essa de panhá catcorre vai ser uma bomba hoje. Ela está cheia de factos interessantes misturados com aquele nosso humor típico, e muito do nosso pessoal vai se lembrar de coisas de que já nem me lembrava. Obrigado Zizim por este manacial que nos traz semnpre a alegria de viver e nos aquece o coração. Mantenhas e um Xi-Coração apertado de amiga YO

Yoalnda Dias             yoldias@aol.com


Meu amigo Maestro Zizim, as tuas estórias são lindas, longas e interessantes porque são sempre diversificadas pois dá um gosto enorme de lê-las. Ora tomemos o caso deste: o tremor, a pesca, a caça de cachorros, a saúde pública, a crença/feitiçaria, a injustiça social (claro que os cães dos ricos estavam todos bem guardados!) a prisão exagerada do pobre rapaz que soltou os cachorros. Gostei imenso! Parabéns irmão!

Dr. Azágua                jackandrade@comcast.net


Hi Big Brother, Só para te dizer que adorei. Já bô fazeme sodade de nha Terra moce.Tantas lembranças de que me recordo plenamente, inclusivé aquel panhar de catchorre, ma Ceril e quel julgamente de Tchutchim de Nha Jona Juca e sê praga q'ela ptá Ceril que morrê ta ladra. Moce devra já bô é prop bunzim. Força um abraço Lili

Larry de Pina              LPINA1@tampabay.rr.com


Otimo Zizim, Continua porque todos estamos gostando. E essa hoje foi uma verdadeira bomba cá na nossa counidade da Cova da Moura. Pois muitos se identificaram com a estória porque trouxe-lhes muitas recordações aliado á maneira sentida com a dsecreves, aliás como em todas asa outras. Escrita clara e sublimemente digna de o pincel de um artista nosso grande Zizim. Um dia serás lembrado. Parabens, obrigado e um grande abraço tal é nosso voto. TOI

Antonio B.de Pina             toipina@netcabo.pt


Irmão Zizim, " ês storia lissim ê daquês q'nô ta ri de principe tê fim, ma ta ri c'goste e ta dexá seí quel gargalhada gostosa que ta fazê bem nôs estod d'espirit nês momento que nô ta andá tud preocupod e chatiod c'política e crise económica ". Pois, é assim mesmo, Zizim, mais uma vez dás largas àquela expressão, àquele dizer e àquele tom precisos que evocam o humor pícaro e a alegria espontânea, temperados com boas doses de " mofineza ", que o povo do Mindelo punha no seu viver, quantas vezes para esquecer os problemas do seu quotidiano difícil. Tanto assim que é recorrente referires sempre o " Povo ", pano de fundo dinâmico, interveniente e multiforme em todas as tuas " storias ". Em qualquer acontecimento, alegre, sórdido ou dramático, o Povo está sempre presente e, quando não seria previsível que estivesse, surge espontaneamente e envolve os actores e os protagonistas, numa extensão cénica que não podia faltar para que a narrativa e a mensagem ganhassem vida, coerência e autenticidade sociológica. Exemplos : "Assim, Pove de Soncente que sempre estimá sês bitche, ca tava perdoá Dator Socrates, más pa mode sês runheza… " "E, na dia siguinte cma notícia corrê, quel Pove cambá quaz tude Tribunal pa bass sisti julgamente pensonde cma quel boys, tava ta bá levá sô um raspanete de parte de Sr.Dr.Juiz… ". "E, fui lá anton que na mei de tude quel rebolice de Pove, bem parcê Nha Jona Tchuca, pretona de sê linga pintode ma oie brumedje… ". Mas, passemos hoje por cima do lado folclórico e cómico de toda esta " storia ", em que são actores importantes o Ceril e a nha Jona Tchuca, e peguemos agora num ponto de reflexão, que tem a ver com a noção enviesada que esse mesmo " Povo " teria de certa autoridade pública. E no meio disto tudo foquemos a atenção no mau da fita, o célebre doutor Sócrates, aquele que mandava abater " tchuque buze ", potencial ameaça para a saúde pública, e capturar os cães vadios, possíveis portadores de raiva, para além de outros inconvenientes que representava a sua proliferação descontrolada na via pública. O doutor Sócrates era apenas um profissional rigoroso, exigente e cumpridor, atributos que não podiam deixar de colidir com algumas coisinhas daquele nosso viver pacato mas certamente tão estagnado nas suas rotinas e limitações naturais que difícil seria aceitar decisões que rompessem com hábitos instalados, embora visassem o bem comum. Há 6 anos, de visita à minha querida ilha natal, fui visitar as campas dos meus avós e bisavós, e à certa altura aproveitei para ver as de pessoas antigas e conhecidas. Uma delas foi a do doutor Sócrates, mas esta por mera casualidade. E então veio-me à memória um episódio que um familiar mais velho me tinha contado uns tempos antes. Um belo dia, um paciente indigente, após ser consultado por esse médico, recebeu dele indicação para passar pela farmácia do Hospital e nela levantar, com a respectiva receita, o medicamento de que carecia para o seu tratamento. O paciente dirigiu-se à dita Farmácia mas foi logo despachado desabridamente pelo funcionáro da mesma, que lhe respondeu que não havia o medicamento. O homem foi dar conta disso ao doutor Sócrates, e este, interrompendo a consulta que já ia noutra pessoa, saíu disparado do seu gabinete, acompanhado do dito paciente, a caminho da Farmácia. Ali chegados, interpelado, o funcionário balbuciou a resposta anteriormente dada. Nisso, o doutor Sócrates entrou de rompante para dentro da Farmácia e ele próprio, abrindo várias prateleiras, foi numa delas descobrir não uma mas várias embalagens do mdicamento, mostrando-as ao funcionário, que, embascadado, não teve palavras para justificar o desinteresse com que momentos antes tratara o paciente, pessoa pobre, cuja situação lhe devia ter exigido outra atenção, para além do cuidado profissional inerente às suas funções. Então, o doutor Sócrates advertiu-o nestes termos: " Que isto não volte a acontecer, ouviu?! ".

Adriano Miranda Lima            amlima43@gmail.com


Eu lembro-me desta historia,que contaram-me quando vivi em S.Vicente.Tu a contaste muito bem. Gostei muito. Ainda hoje no mundo existem gente mà como Ceril. Outros também mesmo nao matando, abandonam os animais e veem atropelados pelos carros. Um abraço Fernando

Fernando Frusoni                fernando.frusoni@fastwebnet.it



Caro Sr.Zizim, Como já lhe disse anteriormente é raro quando faço comentários embora continue lendo compilando e enriquecendo consigo os meus conhecimantos sobre a terra dos meus ancestrais. Esta estória é para mim uma das mais lindas e ricas do conteúdo na medida em que realça através da sua escrita bem elaborada toda aquela riqueza Social de que me falou sempre o meu falecido pai. Espero este ano ir até lá em agosto pois necessito conciliar-me com aquilo que pertenço. Encontrar a familia para que junto me ajudem a concretizar a minha identificação e me sentir em paz comigo mesmo. E tudo isso graças a si Sr.Zizim Figueira. Muito obrigado por esse traço de união que muito bem vem fazendo para e por nos ligar o umbigo á Terra Cabo-Verde. Abraços Elton

Elton Silva Miranda                  eltonsmiranda@gmail.com


Heranito Zizim, Hoje encheste o nosso dia de tanto rir. O Djê de Nha Fina manda-te um grande abraço e te felicita por teres falada da sua tia Nha Jona Tchuka. A maioria dos velhos cá se lembram de tudo isso e cada um encontrou na tua estória, mais uma estória para contar. E assim passamos um dia bem divertido. Saudações de todos para ti. Franklin

Fralklin S.Rodrigues               franklin@srodrigues.com.ar


Meu caro colega EngºGeógrafo/Geofísico José Figueira, Li tua estória com muito gosto e vi com uma certa alegria que te tornaste mestre na arte de bem escrever dominando o tema em todos oa aspectos de ordem social sobre a nossa terra São Vicente de Cabo-Verd. E mais te felicito pela tua excelnte memória. Pois que riqueza meu caro. Rijo abraço ZéLino

José Lino dos Reis               jlino.dosreis@cvtelecom.cv


Bem feito para o funcionário zeloso, que até ladrou na hora da morte! Isto de praga sentida e com razão (coitado do moço, bater os ossos na cadeia por coisa tão pouca) é muito sério! A tradição popular tem lhe respeito, muito respeito. Yo no creo en bruxas .... Bela estória plena do viver de um povo, viver esse que é fundamental contar aos mais novos. Parabéns ao autor

Maria Armanda Ferreira            marmandaferreira@gmail.com


Perante teu grande trabalho que vens fazendo meu caro Zizim, acho que nem um de nós podemos ficar indeferentes. Pois vivi muito tempo em S.Vicente com meu pai Raul Badiu que era da policia. Foi terra onde fiz meus estudos e passei toda a minha infância tendo aí até hoje muitos colegas amigos e familiares. Todos os domingos daqui do fundo do Tarrafal de SanTiago graças a ti vivo com grande intensidade toda aquela nossa sociedade maravilhosa em que todos eramos escutados na equidade sem frustrações nem complexos. Pois havia o MINDELENSE equivalente aos TRAVADORES da Praia em que jogou meu pai como ponta direita, equipa popular de garra que se manteve graçasa ao teu pai TI DJÔ FIGUEIRA grande figura carismática da Ilha. Desta estória me lembro como se fosse hoje e fartei-me de rir perante tanta realidade de factos. Pois também fui como muita gente, ao Tribunal assistir a sentença do Tchutchim, que salvou os "catchorres", sobrinho da sombria Nha Jona Tchuka que punha repeito a toda gente com o seu jogo de buzio e botar de sorte (cartas)que metia medo. Coitado e o Ceril morreu mesmo a ladrar. Muito te felicito e peço-te que continues.Vai dai um fraterno abraço do RAUS

Raul Semedo                rausemedo@cvtelecom.cv



Caro amigo Zézinho, como digo sempre, o que aliàs, ouve-se sempre na boca do cabo-verdiano, se recordar é viver, o que da minha parte, estou convencido, as tuas historias, contribuam muito para isso. Eu também lembro do Ciril , nos seus ùltimos tempos de vida , morreu ladrando o que o povo de Sam Vicente ,que era culpa ,que ele estava a pagar. Tudo o que é tradiçao, da forma de viver da nossa terra, é motivo, para se relembrar e revivermos, com saudades da nossa terra Cabo Verde. Aquele abraço Zézinho, do velho amigo, Morgadinho !.. Saùde e até a proxima .

Joaquim ALMEIDA                  soalmeida@free.fr



Caro Sr.Zizim, Muito obrigado por todos estes contos maravilhosos recheados pela aquela magia do humor sãovicentino Tmabém tudo o que você aí relata num estilo escrito bem elaborado neste bom Crioulo, participei e vivi tudo isto em grande apesar de ser garoto dos meus 14/15 anos. Lá fui ao julgamento do Tchutchim de Nha Jona Tchuka para curiosidade mas o Sr Espirito Santo oficail de deligência na época não me deixou entrar no Tribunal por ser menor. Mas fiquei na rua no meio daquele povareu á espera. E, me lembro de Nha Jona a amaldiçoar o Ceril.Coitado que o povo quase o linchava.Boa estória Sr.Zizim.Parabens.Abraços Nelson

Nelson B. Oliveira            nelson.beoliveira@gmail.com



Ahahahah!Dei umas valentes gargalhadas com esta estória rica de colorido e pormenor bem escrita na nossa Lingua. É fantástico como o autor consegue sempre contar as suas estórias de forma tão viva que, sem dar por isso,me encontrei em cheio no meu São Vicente Natal participando dos acontecimentos, no meio daquela celeuma do Ceril "ta panhá catchorre" o rapazinho para o Tribunal mais a Nha Jona Tchuca e seu "Ptá Praga". Coisa tomada sempre a sério na sua total absurdidade. Que viva a miscigenação.Bravo Zizim.Grnde abraço João Manuel

João M.Sines                jmsines@verizon.com



Obrigado meu caro Figueira, por mais esta Storia deliciosa, como as outras que vens publicando no Liberal. Esta é mais uma preciosa contribuição que vens dando pela cultura cabo-verdiana, e neste caso mindelense. Uma vez escrevi um texto a que dei o titulo"S.Vicente quel país"que mereceu a apreciação de muitos patrícios, mesmo aqueles que não são de S.Vicente mas que beberam quel aguinha de Vascónia e de Madeiral, e cmê quel pon d'trança de Niclete ma quel sucrinha puste naquel bolacha de Matos! ô moce o que Sodade d'Soncente. Mantenha pa tude gente amigue e pa bô também. Viriato

Viriato Barros                 barros.viriato@gmail.com



Gostei imenso e fartei-me de rir.Tu tens a nobre arte de escrever e por ao vivo a nossa sociedade mindelense em que vivemos e de que guardamos tanta saudade do seu "modus vivendi". Abraços TchimValerio

A.Nobre                          valerio.anobre@cvtelecom.cv

V O L T A R