TIATRE D'MINDELO PA RECORDAÇON (ÔNES 1930/1950)


Na nha lembrança d'mnine, ta bême sempr um daqés nôte ventôze d'mês d'Môrçe, fins d'ones 45/46 q'nunca um pûde sqçé, inda màs, era nha primêr tiâtre q'és levôme pâm bà oiàss.

Um fcà incantôde, pa manêra q'Manilim Kips, salvàba qél nôte d'tiàtre, d'Troupe Cénico Tropical, là na Liceu Gil Eanes, na méi daqel ventania ta râtchà qés bnîte cenàrio pintôde pa mon d'artista, môda Manim d'Nho Johny Sena.

Papel d'cenàrio ta ratchà, q'Kips entrôde na cena num situaçon prop dficil, tive q'improvisà, na sé grande capacidad d'atôr, q'él sempr fui, sem nunca ter bôde pa scòla, d'ârte dràmàtca!

Soncent, pa môde sé Porto d'Mar sem iguâl d'Costa d'Africa Ocidental, num posiçon stratêgica d'Munde, inda mas num épca q'carvon era Rei. Passà ta ser, pa môde sé linha d'navêgaçon, coraçon e alma d'Cab Verd. Presênça e contâcte d'nôs pov ma strânger d'tud nacionalidâde na êpca, fui côsa q'dstino traçône e nôs nñé culpôde.

Assim, nôs pov d'Soncent sempre vivê na contâcte q'um grande diversidade d'pov d'ôtes Naçon, ta falà nôs linga ma sés linga, sem bà pa scôla. Um t'abri um parêntse néss stôra sô pa lembrà uma bôa d'nôs Djô Ia e pa fazé valé qél presênça d'spirt intlectual d'um vêz, catraêre d'mêi d'Baìa, q'tud gente tàva conché pa môde él q'ca tinha nariz …

Qônde él tàva stôde sem bibé grôgue era um ônje, ma qônde él ta pintchâl na cadêra él nñera mâu ma él ca tàva parà d'falà q'aqel voz rôque,sô d'séu, ta intchî q'és rua d'Mindelo, by night.

Um vêz, paquête Serpa Pinto, tàva fundeôde na méi d'Baìa, chéi d'passager ta bà pa Brazil. Anton, nôs Djô, mêi carrôsque, q'tinha bode môda d'cstûme num bôte ta rema pa bà tràss, qél dia d'trabôi,tinha sé bôte marrôde na vapor sempr ta tmà sé pitrôle,naqel falatôria rôque d'séu,q'niguém tàva comprendé …

Um passagêra, na méi d'tud qel pov, somôde na borda d'paquête, ca pûde resisti sé curiusidâde, anton ela perguntà Djô: -
Ôh Senhor, q'lingua é q'vocés falam aqui nesta terra?! Réplica fui log!Nôs. Djo Ia, parà d'falà, él spià pa riba, él dzé pa qél Senhora: oh minha Senhora, aqui falamos até JAPONÊS!!! Séi log palma e rizâràda d'sés cumpanher d'vida.

D'éss força d'contâcte, num épca em ca tinha tud éch modêrnisme d'informaçon, q'nô tem e t'ôcthà hôje em dia. Fazé q'Mindêlo fôsse um daqés zona màs bem informôde na épca d'nôs Arquipêlago, snôn d'tud rêine colonial purtuguês … flôde, cma és ca tàva nem conché Whisky.
Assim, Soncent na sé força d'contâcte ma stranger ca podia fcà pa tràz, na companhamênte d'évoluçon d'Munde.

Contâcte era forte e variôde,informâçon era tchéu d'tud parte d'Mûnde e tàva tchgà ràpt na terra, pa têlêgrafe, pa jornal, ma revista (London News) binde d'Inglatera, (Herald Tribune) Merca, (Globo)Brazil etc … Também jà tinha Cinema.

Ma hoje, um tita bem falà bzôte um bocadim sobre Tiâtre, q'também sempre fazé parte d'éss trajectôria evolutiva Mindlense, d'contâctes Universal. Moda nôs tud sabê vida é um tiâtre em q'nôs tud é atôr.

Pa informaçon q'um pûde ôbté, bzôte ta sculpàm s'tiver um ô ôte êrre d'data, Tiâtre na Soncent parcêba desd'ônes trinta, q'SOKOL organizaçon importânte, fundôde na 1932.

Também tive T.C.T (Troupe Cénico Tropical) na 1944, siguîde pa Castilho 1948, Amarante 1952, Castilho novamente na 1953, Académica 1954, sem contà tchéu ôtes bunzim ma d'mênes impôrtancia q'bême na mîmôria, môda aqés d'Ti Gôi Carâca là na Derby, mas qés teâtre d'fralda d'Mindelo, pôque falôde ma chéi d'graça…

Um d'aqés Tiâtre, q'mas marcàme nha vida, fui T.C.T.ondé q'nha rmanVerônica tàva actuà, él ma Fernanda d'Nha Bia Gâcha, d'dançarina. Qés abertura na nôte d'tiâtre T.C.T.era bnîte e grandiôze, na dimensôn d'nos tirrinha Soncent. Basta côrtina tàva sbî na pâlque debôche d'son d'pîte d'um vapor d'passagêr, ta figurà qél partida pa Holywood, q'tud qél grupe ta cantà: a T.C.T. a caminho d'Holywood.

Na nha lembrança d'mnine, ta bême sempr um daqés nôte ventôze d'mês d'Môrçe, fins d'ones 45/46 q'nunca um pûde sqçé, inda màs, era nha primêr tiâtre q'és levôme pâm bà oiàss. Um fcà incantôde, pa manêra q'Manilim Kips, salvàba qél nôte d'tiàtre, d'Troupe Cénico Tropical, là na Liceu Gil Eanes, na méi daqel ventania ta râtchà qés bnîte cenàrio pintôde pa mon d'artista, môda Manim d'Nho Johny Sena.

Papel d'cenàrio ta ratchà, q'Kips entrôde na cena num situaçon prop dficil, tive q'improvisà, na sé grande capacidad d'atôr, q'él sempr fui, sem nunca ter bôde pa scòla, d'ârte dràmàtca!
Pêça tiâtral rancà q'um força grande,naqél pàtio d'ginàstca, d'antig Liceu Gil Eanes, num mûvimente d'cêna, q'gênte ta bài ta bem … siguîde sempr pa qél orquèsta …

Qél vintim teimôze continuà ta sôprà, sem léi nem réi, d'tud banda e pa tud banda qél pov zarôde e triste dmûnde, t'oià qés bnite cenàrio d'papél, pintôde na perfeiçôn, sobretûde qél quâdre d'fûnde ta reprêsentà Baia d'Porto Grande, num nôte d'lua ta ser ratchôde assim, pa qél ventania sem ninguém pôdé fazé nada…

Anton, fui là naqél mômente d'afrônta, q'nos Kips, artista fine q'él éra, entrà na cêna e tive qél ideia ôriginal e luminôsa, q'nem ca tàva scrite, pa fazê pârte d'peça d'tiâtre.
El entrôde na cêna, oiôde qél situaçon d'cenàrio tud ratchôde sem dsârmà, él vrà pa Chiquim Martins, q'um calma e força na voz, pa tud gente uvi él dzél: - então meu caro amigo, vocé não tem vergonha de morar numa casa feita, de paredes movediças … Chiquim dàl log sé resposta...

Fui um delîrio geral, siguîde d'riso e pâlma, q'uns BRAVOOO pa trâz … Assim pèça pûde continuà, tão bem q'ninguém, jà ca nem dà fé mâs daqél fôrte ventania, daqél mês d'Môrçe, té na fim daqél nôte d'Tiâtre! Inda por cima, tive tchéu mâlta, chéi d'boa vontâde, q'fcà pegôde naqés cénàrio d'papél p'és ca voâba,té fim d'Tiâtre!

Troupe Cénico Tropical, éra assim q'éra tchmôde éss grande grûpe d'Tiâtre, q'fazê vibrà Mindelo d'Soncent Cab Verd, naqél têmpe, q'um bocôde d'influência cultural mêrcone, pa môde cinèma, q'aliâz nem um d'nôs ca pûde scâpà.

Qés pèça d'Tiâtre sempre tive um um têma, ôra basiôde na fîlme mercône d'comêdia musicâle, q'cinèma Eden-Park sempre tàva passà, q'aqés grande dançarino e dançarina d'épca, môda: Fred Astair/Ginger Rogers - Gen Kelly/Cid Chérise o Leslie Caron etc… ô anton, critica d'côsa d'terra q'gitim, q'pudéss stôde na môda.

Artistas participânte éra tchéu e és tàva trabià bem, pa ligria d'nôs terra e d'nôs gent. Grûpe d'organizaçon e actôres éra: Chiquim, Manuela, Diana e GùGù Martins, sûbrins d'nôs célebre Nho Djûnga fotôgrafe, Manilim Kips, Teobaldo, fidje de Nha Blêka Jôia, Gabriel Borges, Ti Gûste, q'màs tarde imîgrà p'Argentina e ôtes mâs! Êch éra comediânte, q'tàva dà na tud, na categôria d'bons atôr e atriz.

Sergio Frusoni, partiçipà também néss ambiênte tiâtral, não cma d'actor ma sim na scrita d'peças d'Tiâtre, môda por exêmple, Cuscujâda, peça representôde e cantôde na rîtme d'mânché…
Fûnfa, rmon d'Arâi d'Fâbica d'Tabôque, era grande dançârine e sapateâdor là fora, q'tàva gostà d'imità Fred Astair q'sés Top Hat & Stick (Tchapêu Ôlte e Bingâla).

Despôs tàva bem, tuda qés bailarina d'talênte d'grûpe Ok prop d'T.C.T., moda Fernanda d'Bia Gàcha, Verònica Figueira, Diana, Gûgû etc ... prop d'éss épca. Na vida d'Tiâtre, d'ciadade d'Mindelo, n'ôtes épca, tive mâs bailarina q'tchà nome môda Zinha d'Damatinha, Judith d'Bia Felîpa, Tanha Fgueira, Yolanda d'Timoeo Antunes etc.

Tud iss cumpanhôde, pa qél inesquêcivel orqesta lôcal formôde, pa Fâia Tôrres na bataria, Lûlû Marques na harmônica, Antonin e Djôsa Marques na piône, Fausto Medina na sé rabêca, Adalbert Cabêça, ma Lêla Prêciosa na violão, Alfrêdo na clarinête, Marcel d'canalim d'Nh'Anton Djûdjim, na sé bântche, mas qés môçe môda Bitû (unha d'piriquîte) naqél cavaquim q'tàva fazê vibrà e intchi tud qél pâlque d'spétacle.

Ess grûpe marcà um épca, basta q'naqél temp és intchi e fazé vibrà Mindelo, q'sés récital chéi d'spotaniêdade q'sempr fui d'gôste d'tud nôs pov. S'um ca ta inganôde,és tchegâbad'bâ actuâ na Guiné-Bissau e foi um sucesso.

Moda um dzê, cêrte q'tinha qél grand ifluência d'filme mercône mà d'véz inquânte nôs cultura tàva dà sé grîte d'Ipiranga e tàva fcà pûrriba! Anton, num daqés nôte d'grande representaçon Tiâtral q'tinha cûrride mûte bem, qé T.C.T.tinha tchéu força cultural! Tive uns temp despôs, num nôte d'repesentaçon d'Tiâtre Grûpe Castilho em q'posiçon natural, d'força original prôp d'nos cultura despôs d'tud qés mercanâda passôde bem impô.

Assim, na cuntinuidâde de céna parcé nôs Judith d'Bia Felipa, bestîde tud d'sêda sexy p'afronta, qé dvêra dvéra él era bnitôna … Ta dançà Ôi Tûnga Ôi Tunguinha, q'tud qél pov ta cumpanhàl q'pâlma e ta cântà: ôi tûnga ôi tûnguinha, ôi tûnga di mêu lado … âi sibà …s ibà … sibàbà … sête e mêi sête e nôve, côsta na tchôn, dnhér na môn…

Era so ôiàl q'gôste, ta remêxé q'sés cadera, naqél rîtme infêrnal, apoiôde pa sistência, Rîtme, q'sô criôla d'Cab Verd, sabê dançà, qé él ta na sangue, um verdader delîrio … grîte e màs grîte q'pâlma, té q'Capitão Môta Carmo (admnistrador d'Soncent) bandonà sàla.
Mota Carmo chéi d'ciûmes e râiba, t'ôià caboverdiano ta ravêlà sés talênte, càtava t'ôtchà manêra d'rbentà q'T.C.T mod sé força intlêctual.

Anton él resôlvé crià VERBENA, q'té cêrte pônte éra mas pa câbà q'T.C.T. Mota Carmo, q'sé VERBENA sô bem motivà mâlta inda mas, bna sés obra Tiâtral. Resultà, q'màlta anton bem vrà mas lançôde na sés critca na tiâtre, porqé sempr q'criol fazêba um cosa drêt, mandrôngue tinha sempr q'bem sabôtàl … Qé és sabia q'nô fui bastânte vançôde na nôs obra.

Ixempl nô tive tchéu moda SOKOLS criôde pa Julio B.Oliveira, em q'màlta tàva fazé, ginâstca rîtmica e bons ixibiçon q'manêj d'arma etc …

Qônde prêsident d'répulica portugués, q'naqél temp tàva dzé cma Portugal nñêra fascista, bem vesîtà Cab Verd él ôià qél ixibiçon él mandà log câbà q'él … Ones despôs, bem parcé mucidad portuguêsa.

Mesma cosa, na temp d'nos Daniilim Lêite, q'fui nôs grand prûfessor d'ginàstca e também um grand mûtivador, d'vida despôrtiva na Soncent dûrante tchéu ône, snôn na tud Cab Verd, q'sés class d'ginàstica tud bem organizôde…

El fui transfêride p'Angola na posiçon d'Director Desportive, qé moda és dzél p'él bàss imbora, qé na Soncent él catinha fûtur. Dà desânimà tud gent e a partir dà là, desporte bâxà tchéu, perdé sé anîmo té quaz câbà na nôs terra. Bom, pa ca séi fora d'tèma d'tiàtre e sé stôria.

Anton cma màlta d'T.C.T. cumçà ta sinti qél pése d'Mota Carmo (vulgo Mâtà Càbra) admistrador q'fazé pov tchéu miséria na Ilha d'Soncent. Q'tud sé pûder ilimitôde, mandà amdjêr d'saia cûrta tchi bainha. Pov tràl log um coladêra q'tive tchéu tem na moda: culpôde é Mota Carmo qui mandàm tchi bainha, dà qui cù dà qui cadéra, um otchà so farêl.

Màlta dsûfnà e vrà ta critcà suciadâde sem mêdo … E tiàtre bem sirvine tchéu… Pa trâz d'tud iss, nô tinha qés hôme d'cabêça moda: Màrio Barbosa, Sérgio Frusoni Leça Ribeiro, João Cleòfas Martins (Nho Djunga fotôgrafo) e mas otes, q'fcàba mal Viste pa qél admistrador … mâ és catinha mêdo!

VERBENA era um spêçe d'feira popular, criôde pa Mota Carmo pa ranjâss dnher e dêstrai pov d'prublema sério, d'terra … Anton T.C.T, num pêça d'Tiàtre dâl log um nôme, t'utilizà qés letra d'VERBENA q'tàva fcà assim: VAMOS/ENCHER/RAPAZES/ BOLSOS/ESFOMEADOS/NOSSO/ADMINISTRADOR! SAGA também criôde pa él, igualmente fui tchmôde: SOCIEDADE/ANONIMA/D'GATUNOS/AUTORIZADOS!

Tud iss, tàva fazé arri qél pov, mà Mâtà Cabra q'levà temp pa comprendé situaçon, qônde él qris tmà fé, du q'tàva dzîde, tàva dzîde … Moda um pàlmàda na càra nem qés pedîbe sculpa mà jàl fcà dôde!

Ess situaçon e tmâda d'posiçon d'tiàtre T.C.T., jà naqél temp, metêba um bocôde d'calor n'ambiênte, non sem consequência, pôs mûte gent fui persiguîde e tive alguns q'té bâba prêz pa Tarrâfàl d'Santiago.

Môde qés critca dirêta, grup d'tiàtre, Troupe Cénico Tropical, fui prûibide pa Mota Carmo. Dà râiba, invadi nôs Pov d'Mindelo o q'câbà pa mûtivà sé tranferência d'Cab Verd, pa sé terra qé madêra jà ca qria prêgue!

Temps despôs, tive um daqés ûltime récital, q'anton fui um bômba despôs d'tchéu temp sem tiâtre na terra. Assim, éss grûpe q'bâda d'Mota Carmo pa sé terra, tornà bem parcé e continuà sé obra.

Logo na sés primer presentâçon, despôs d'algum temp, na sés primer pèça tiâtral qés fazé, és rancà log d'entrâda q'aqél muzguinha: CULPÔDE Ê MOTA CARMO QUI MANADAME TCHI BAINHA DA QUI CÛ DA QUI CADERA UM ÔTCHA SÔ FAREL, etc. etc. q'tud Pov feliz e t'ârri!

Pa rêvivé qél châma amdjôr daqél nôte, fui qél introdûçon d'T.C.T na camin d'Holywood, q'tud qél folclôre mercône o criôl d'cstûme complétôde paqés palma d'nos POV e q'tud qél representaçon spontânea, daqél Troupe Cénico Tropical, mà surpreza bem fui na fim.

Qél note là, cultura criôla é q'fcà purriba d'cultura mercône num spontaniêdade so d'nôssa …

Despôs d'tud pêça representôde e passôde na cêna, pa fchà tud e pa mostrà força d'nos Cultura parcé Judith d'Bia Flipa, q'também tinha sîde proîbide d'dançà pa Mota Carmo, bnita p'afrônta, na força d'idâde, q'um plâstica fora d'série, ta dançà, bzôte duvnhàm o qé …

O q'ca pudia tchà d'ser …Sé: ÔI TÛNGA ÔI TÛGUINHA … ÔI TÛNGA DI MEU LADO ÔI SIBÂ SIBÂ SIBÂ…SI BÂBÂBÂ…

Num remêxer d'cadêra … num rebôlada sem fim q'fazé tud qél Pov na sala, levantà fcà dôde, cêgue ta bâbâ, qé naqél nôte làçim fui CULTURA CRIOLA, q'falà naqél côrpe d'Judith d'Bia Felipa e fcà purriba D'HOLYWOOD, pa gôste e ligria d'tud qél Pov d'Soncent.

Zizim Figuera (José Figueira, jùnior)

VOLVER

Comentários

Fernando Frusoni fernando.frusoni@fastwebnet.it
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...

Muito é interessante o que escreveste sobre o teatro, dos actores e protagonistas. Naquele periodo nao foram produzidos muitos espetaculos, mas de boa qualidade como aqueles do Castilho. Muito bem, ciao Zizim

-----------------------------------------------------------------------
Margarida Salomao Mascarenhas magui.salomao@netcabo.pt
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Bom Dia NhRmon Zizim "Onde não hà talento nem as cassandras cantam e o talento precisa que o meio o ajude.Quem disse foi Miguel Torga.Viva esta capacidade de improviso e dramatização do quotidiano.Viva o Zizim que não nos faz esquecê lo.Força saude e uma boa semana. MAG

-----------------------------------------------------------------------
Franklin S.Rodrigues franklin@rodrigues.com.ar
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...

Caro Zizim Là chegou pelo nosso Liberal mais esta tua maravilhosa estôria de um grande valor histôrico para o nosso Cabo Verde. Como sempre te tenho dito elas là vão fazendo o seu efeito benéfico no meio da nassa colectividade cà na Diaspora ajudando nos a passar o tempo de bom humor e alegria.O filho do Funfa que vive cà na Argentina e que é membro da nossa Associção muito te agradece pela lembrança do pai que foi sempre bom bailarino.Muitos dos nossos antigos cà se relebraram do TCT com saudades.Bons tempos disseram todos.Muito obrigado Zizim e ai vão os nossos saludos de la Plata. Fraklin

-----------------------------------------------------------------------
Antoninho Duprés antoninho@dupres.com.ar
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Caro Irmão Zizim Todos adoramos a tua estoria que como sempre tem aquele sentido historico social profundo fortemente apreciàvel cà no nosso meio Cabo-Verdiano. Gostamos imenso daquela resposta do Djô Ia à senhora.Todo esse nosso pessoal antigo de cà se lembra bem do Djô Ia no meio mindelense com a sua voz caracteristica e suas peripécias.Recebe saudaçoes fraternais de nos todos.Sou Antonin di Nhanha

-----------------------------------------------------------------------
pedro vicente pierre_vincent37@yahoo.fr
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Olà Zizim: Mais uma "storia" das que nos mandas para fazer-nos recordar e rir mas hoje, amigo, tenho vontade é de chorar devido a tua imprudência. Explico: - Quando a TCT fez o teatro (dizes em 1944) tu tinhas seis anos e a tua irmã Veronica (que Deus haja), a Fernanda e a Judith de Bia Felipa deviam ter 8 ou 9 anos. Vamos dizer 10 anos. Nunca ouvi dizer que a Judith dançou no teatro do TCT em 1944 mas sendo assim, ela devia ter umas trazeiras bastante desenvolvidas pela sua idade, era precoce e a sua mãe uma inconsciente. Senão estàs a exagerar escandalosamente porque metes ainda por cima a tua irmã (que Deus tenha a sua alma em descanço) e a Fernanda que foi minha colega de escola e que nunca teve um fisico de rebolar como tu dizes. Pela TCT misturas e esqueces dos artistas principais que eram, além do Kip's e Chiquim, o Armando Monteiro e Funfa que sapateava (como o Djosa Marques, aliàs), todos rapazes de 18 a 20 anos. Vou dizer-te ainda, esqueceste a vedeta da TCT que não tinha 10/11 anos e não empolgava o pùblico conhecedor, era uma badia de 18 anos que conquistou Mindelo em peso e que se chamava Ivete Antunes. Sorry Ziza. Bô tâ coimode!!! P.S. - Como tu, a Judith està muito doente em Paris (não é de cabeça, felizmente). Como para ti, vamos pedir a Nossenhor pela vossa saùde.

-----------------------------------------------------------------------
Mily Vieira mily@netvisao.pt
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
OLÁ, MEU BOM AMIGO! GOSTEI DA TUA "STORIA" E A MIM INTERESSA-ME MUITO MAIS O RETRATO QUE FAZES DA SOCIEDADE MINDELENSE DE ENTÃO DO QUE O RIGOR HISTÓRICO. NISSO ÉS IMBATÍVEL. RECONHEÇO NESTA COMO EM TODAS AS TUAS NARRATIVAS OS TRAÇOS DESSE POVO, COM AS SUAS ALEGRIAS E TRISTEZAS E A SUA CAPACIDADE DE ULTRAPASSAR AS MAIORES DIFICULDADES COM SENTIDO DE HUMOR. GOSTEI QUE TIVESSES POSTO EM RELEVO AS INFLUÊNCIAS RECEBIDAS DE DIVERSAS PARTES DO MUNDO, QUANDO AINDA NINGUÉM FALAVA DE GLOBALIZAÇÃO, POIS ACHO QUE O QUE MELHOR CARACTERIZA O POVO DE SONCENT CAB VERD É ESSE ESPÍRITO DE ABERTURA A OUTRAS CULTURAS, COM AS QUAIS SEMPRE CONVIVEU PACIFICAMENTE, SEM NUNCA PERDER A FACE. PARA TERMINAR TAMBÉM TE DIGO QUE APRECIO IMENSO A TUA CAPACIDADE DE "CONTADOR DE HISTÓRIAS", NÃO SÓ PELAS PERSONAGENS TÍPICAS E PELAS SITUAÇÕES EM QUE ESTÃO ENVOLVIDAS COMO PELA LINGUAGEM IGUALMENTE TÍPICA, CARREGADA DE EXPRESSÕES DO NOSSO CRIOULO DE SONCENT QUE ME FAZEM SORRIR TODAS AS VEZES QUE AS LEIO NAS TUAS "STORIAS". VIVA! VIVA! VIVA! PARA TI, VIVAAAAA! CONTINUA!

-----------------------------------------------------------------------
Henrique De Pina Cardoso hpcardoso@hotmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Zizim parabéns meu irmão Caboverdeano! Que bom teres trazido esta estória imemorial onde trazes este Oi Tunga Tunguinha…Oi Sibâ Sibâbâbâ… Zizim quem das ilhas que não se lembra dessa coladera? Só quem não tem raiz nem alma Caboverdeana! Continua a ser uma escrita digna e representativa dum crioulo com alma do povo sem decretos-lei. É a língua do povo Caboverdeano, o Crioulo sem BARBITCHE. Segue nesta linha para deixares para a história a realidade do nosso povo vivida nos anos idos de 1930 a 1950 ou mesmo dos anos anteriores. Já desde está época e mesmo antes se faziam teatros e se bailava como nunca mais se bailou, onde os homens dançavam que tal qual pardalinhos novo. Ignorar essa realidade é faltar à ciência, às ciências históricas na sua vertente popular que não fora catalogado, nem teve registo oficial dos capatazes, nem dos actuais escribas de serviço? Sem dúvida! Será que as reminiscências ficaram impregnadas na mente de alguns como o pecado original que acompanha o humanidade até os dias de hoje? Espero que continues com disposição e força para dar mais estórias das nossas gentes. Esta estória mostra nos que o crioulo tem vida e tem alma, tal como sente e reage o povo perante a opressão. Meu Irmão Zizim cá ficamos na 25ª ilha de Cabo Verde, à espera da próxima pérola em letras de forma. Mantenhas de cá do exílio

-----------------------------------------------------------------------
Yolanda Dias yoldias@aol.com
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Carissimo Zizim E sempre com aquele grande prazer de menininha d'Soncent que continuo me deleitando das tuas estôrias.Sou mais velha do que tu e posso dizer te que aqui me trouxeste montanhas de recordações daquela linda época.Me lembro e bem da tua irmã Verônica e Fernanda de Bia Gâcha jôvens e bonitinhas representando e dançando juntamente comigo neste Teatro cujo os mentores bem indicaste aqui.Pois tambem foram todos meus amigos.A Judite de Bia Felipa me lembro bem dela dançando como tu dizes e bem numa peça teatral do nosso grande Castilho do tempo do Sr. Germano e tio Ernesto Medina.Como sempre digo que estas tuas estorias teem um valor inestimàvel e deverão ser publicadas. Continua amigo Zizim com esta força que Deus te deu.Um beijo carinhoso da tua amiga de sempre. Yo

-----------------------------------------------------------------------
Ligia Lucas ligia@namsko.com
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Olà Primo.Como tens passado ? Mais uma bela estoria demonstrando que o nosso povo caboverdiano tem um espirito forte.Consegue combater os obstàculos que lhe aparecem com um pouco de humor.Um muito obrigado por partilhares conosco estas tuas estorias. Votos de muita saude e uma boa semana.Abraços Ligia

-----------------------------------------------------------------------
Ines Gonçalves creduemcruz@hotmail.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
KEL ABRACU CREOLAMENTI MANDADU. CORAGEM IRMAO FORCA DI VONTA... SAUDADES E' GRANDI TI KI TA FIKA PIQUINOTI........................ VOZ DO ATLANTIKU ATE... GRANDI HOMI

-----------------------------------------------------------------------
Cleuda Delgado delgadocleuda@hotmail.com
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Prezado Senhor Zizim Vivo na Bélgica sou jovem e desde hà muito que venho seguindo com paixão essas suas Storias.Cà em casa toda a familia adora e estamos sempre atentos domingo no Liberal à espera de mais uma da sua autoria.Como sempre là gostàmos imenso desta ultima assim como de todas as outras.Sou sua jovem FUN.Obrigado Senhor Zizim e espero que continue. Beijinhos Cleuda

-----------------------------------------------------------------------
Marciano Ramos Moreira marciano_moreira@yahoo.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
N ta kumesa ta pidi Altisimu pa dirama saudi riba di nha amigu i talentozu promutor di nos lingua - grandi Zizim Figuera. Nos nu sta li animadu, pamodi txuba dja longa-nu mo pa fla mantenha. Uma ves ki opozitoris di ALUPEC pidi, N sa ta ben sita alguns nomi di sientistas di lingua (linguistas i filolugus) kabu-verdianus (di sangi o kurason) konxedu ki ta difendi alfabetu funolojiku pa nos lingua (istu e, alfabetu baziadu na prinsipiu: pa kada letra un so son i visi-versa): Manuel Veiga, Eduardo Cardoso, Dulce Almada, Alice Matos, Inês Brito, Marlyse Baptista, Donaldo Macedo, João José Pires, Ulisses Gonçalves, Hermínia Curado Ferreira, Adelaide Monteiro Lima, Manuel da Luz Gonçalves, Lelia Lomba de Andrade, Mafalda Mendes, Fátima Ragagels, Aires Semedo, Dulce Fanha, Hutchinson John, Nicolas Quint, Lang Jürgen, etc. Na verdadi, un sientista di lingua ki ta da valor a si kabesa ka podi ser kontra un prinsipiu internasional konsensualmenti difendidu pa sientistas afialiadu na International Phonetic Association dja ten mais di 1 sekulu. ALUPEC e difendidu pa sientistas pamodi el sta di akordu ku siensia (konfiri Description di IPA na site: http://en.wikipedia.org/wiki/International_Phonetic_Alp ) Es sientistas li es e KONXEDU pamodi es ten livru(s) publikadu - purtantu nhos podi poi ses nomi na www.google.com pa nhos konfiri ma N ka sa ta konta ka si. Anhos ki e spesialista na konta ka si pa tenta kontinua ta po-nu marioneti di purtuges - sima es ta skrebi na ses lingua si ki nos mininus TEN KI pasa ta skrebi na kabu-verdianu. Agora e nhos ves - nhos aprizenta sientistas di lingua KONXEDU ki ta difendi ma nos lingua debi adota alfabetu purtuges i rijeita kel ki e fetu pa sientistas kabu-verdianu - ALUPEC. PS: N ta pidi diskulpa pa kes omisus sientistas di lingua ki tanbe ta difendi ma nu debi liberta nos disendentis di KANSERA DI DIKORA ortografia kalapitxadu = patxi-patxidu = a toa = sen lojika = etimulojiku = ortografia purtuges. Pur amor a nhas disendentis!

-----------------------------------------------------------------------
The Undertaker pikodecabeca@caixao.rip
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Parabéns por mais uma estória no nosso kriolo. Continue assim, protegendo o criolo, contra estes Alupecs que andam assolando por aí. Não tive estas vivências, mas adoro na mesma. Tunga Tunguinha é uma música que me marcou e como tal,..."sibá sibá sibabá".

-----------------------------------------------------------------------
Larry de Pina LPINA1@tampabay.rr.com
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Oi Djô Na nôs rua nôs era pôque q'tava tchmôbe Djô,numinha d'mizade. Gostei imenso de mais esta tua estoria que como sempre nos tràz cà na Diàspora aquele reconforto e um pouco de calor humano da nossa terra Soncent d'Cabo Verde.Me lembro bem do meu irmão mais velho Manuel me contar estas estorias dos teatros là em casa,falando da tua irmã Verônica que era uma excelente bailarinna,bem como do Funfa e Djosa Marques que eram bons sapateadores da época.Admiràvel o facto de trazeres por escrito estas nossas boas realidades de outrora.Parabéns irmão Djo Figuêra,força continua.Mantenhas de Tampabay do irmão amigo de infancia e de sempre Lili

VOLVER