PUTCHE DE MÃ SABINA

Capitcha, na principe, tive de pensá dôs vez sel divia ô non fazês quel pirraça c’mede de reaçon de Espanhol, bem cunchide na terra por ca ter mede de nada! Smeme assim, um quarte pa dez da note, Espanhol ma Putche rancá ta bai. El, Capitcha, que tava corrê de munde, incurtá camin, travessá Compe de Jogue rapte, bá fecá ta esperás lá naquel passaja, tude nú, garanhode na parede, naquel camin de passája banda de Monte Sussegue

Basta log plumanhã naquel rancar de dia, cafê lá na casa, pa matá sodade de terra Bubista, foi tchitchorre (um pixim séc tchmode melon, que tava custumá bem na soque em grande quantidade de Bubista pa Soncente) que prima Mana tinha recibide d’icmenda, c’midje iliode, em vez daquel catchupa guizode, inganode c’uns puntinha de tucim bedje, moda era custume lá na casa de Mã Sabina.

Tonte prima Mana cma Mã Sabina, que tinha binde de Bubista pa Soncente inda mnininha, nunca trocaba sês papiamente de Bubista pa quel de Soncente, cosa que tava notode sempre, quê quonde ês tava papial, ês tava impregá de manera natural quel “quer”mnin’z . Ma ê cosa que ca tinha prublema naquel tirrinha de Deus, quê pove de Soncente foi sempre custumode ta vivê em paz c’tude pove de munde, quontamá ma quel quê sê sangue.

Levode pa quel tcher de tchitchorre t’assá na lume de fagon, bem ta tchegá quel manhente daquel Fudjinha, vezim e amigue d’infância de Putche de Mã Sabina, irmon d’André, cunchide pa Dedê, grande artista, tocador e fazedor de violão, que cuitode tempes despôs bem paralisá.

Mã Sabina inda era mãe de Mone, Hilário, qu’era grande mecâneque, Manim e dum filha que sê nome ca tita bem’e na mimória grinhassim e que fui mãe d’Alda, Ofélia ma Djusinha. Vezim de Nh’Herminio de Telégrafe, lá na casa de Mã Sabina porta de rua era sempre aberte, quê lá ca tava cabá mnine t’entrá, ta sei, casa prop de gente de bon coraçon dum vez.

Fudjinha enton, lá na casa ondê quel tinha tude dia sê cafê, era tratode moda um fîdje pa Mã Sabina, de quem el tava tmá tude dia sê bençon, na respeite. El era moda um irmon que tava protegê Putche, assim el ta tinha mil e um stora pa contá dês sê irmon de criaçon, que também pa confiança que sempre ês tive pa cumpanher tava dzel tude.

Putche desde piqnim tinha uns canelona, ma pamode educaçon de casa, el era moda ove gorode, mnine espantode que tinha mede de tude cosa, tê dum folha de mote s’el caíba na tchon, quê sempre quel tava fazê mariode, el ca ta tinha nem tempe d’explicá porquê, quê ês tava dexil cada pascoçada. Cuitode, assim na camin d’escola mnines tava largal soc, na sê soque d’escola quel ta tinha na costa, pa sê desusper, quonde Fudjinha ca tava estode ma el, quê na casa ês tava dzel pa ca dasse na mnine de gente, o qu’era pa el um verdader tormente del ca podê defendê.

Basta um vez raiba dal, el tchemá um mnine daquês que tava ta chatial “Diabe d’Inferre”, Cosa qu’era grave de dzeba naquel tempe. Quel mnine, injuriode más do que sel tivesse el dode um soc, bá fazê quixume na Mã Sabina, que pô tude ês dôs pa pô de joei e benzê corpe, c’aquel Pel Senal Santa Cruz, pa Deus podia defendês de “Barbincorde” ô quel Home Pel Senal St Cruz.

Putche, moda Fudjinha tava custumá contá, fazê xixi na cama tê c’idade de dezasseis pa dezassete one, quê quaz tude dia plumanhã el tava levá c’aquel lençol de xixi na cara, qu’era pel tmasse vergonha e tchaba daquel vice, o que tava vral cada vez pior.

Quê denote, quonde xixi tava pertal na cama, el que mede de Gongon ma Massongue tava fecá detode e tava cabá pa largá corpe la mesma na cama. Assim, el bem ta criá, vrá um homona, quê el era grandon dvera, ma sempre coborde, cosa que tude gente sabia na tchon de Soncente.

Ma tude ês situaçon, ca impedil de ba pa Puntinha, pa Oficina Naval, despôs daquel grande quarta classe dum vez, d’escola de Sr. Alfredo Brito, quel fecaba “Distinte”, ondê quel prendeba e vraba grande mecâneque junte daquel ote, nôs grande Mestre de tude tempe na Stora de Soncente, por nome de Sr.Cunque (Teodoro Gomes) de quem el foi tê sê broce direite.

Putche, bom mecâneque, cuntinuá sê vida sempre na mesme rume, el ranjaba um traboie de motorista lá na Casa de Telegrafia de PTT, que tava fecá na Tchã de Monte Sussegue, ondê que já tava trabaiá Rui Matos, um rapaz por nome de Espanhol e mas otes.

Cosa bem vral mariode, quê el tive de ba fecá ta trabaiá de note e, cma mesme depôs de grande quel mede d’andá na escure ca tinha el bandonode, el tava largá de casa, da lá de Tchã de Sumeter, inda sem note fetchá, lá pa Bar daquel busode, pirracente de cara séria por nome de Capitcha. Pa basse esperá Espanhol, home estimide, que ca tinha mede de nada e que tava morá na Lombe, sô pês pudesse bá djunte pa traboi na PTT lá na Tchã de Monte Sussegue, qu’era perte de sê casa, ma sô que traboi tava cumeçá c’escure, pa dez hora da note tê seis hora de plumanhã.

Sô c’aquel stora de Putche bem da lá de sê casa na Tchã de Sumeter pa Bar de Capitcha daquel hora mute cede, pô Capitcah intrigode, ma pa depressa el comprendê situaçon de Putche. Enton log bel n’ideia de pregal um partidinha junte ma Espanhol. Sô que Espanhol era um bocode escorroçode e tava andá sempre c’faca na cinta e sê oie de boi pa lumenhá de note, pal ca rolá (caí).

Ma Capitcha, sê boca ca tava lá, quê já el tava custmode de fazê gente mede de note lá naquel passaja trás de Compe de Jogue, ora lode de bomba d’ága, ondê que tava morá Paulina Manca, o enton de lode de padaria de Sr. Jonas, ondê que tava bem passá tude gente de Monte Sussegue, cunchide também pa gente de “Terra D’Índio”, mode quonde ês tava ba pa cinema na morada, ês ta tinha sempre um panim pa limpá pê naquês broque de parede de Compe de Jogue, antes d’entraba na morada, sô pa gente ca tchemás de terra d’índio.

Assim, de volta de cinema, despôs de meia note ô más tarde, Capitcha, brancon moda el era, quê el era de família de talione, tava fecá ta esperás tude nú, sebide derriba daquel paredon, cum oie de boi quel tava lumenhá quonde gente tava tchega perte del. Da lá derriba, el tava fecá ta tchemás sempre ta dzês psssiiittt... pssiiitt...pssiiitt.

Enton, gente tava abri na tchada ta corrê, ta gritá quel Sandimora, ta bai... ta bai... ta coorê sempre sem espiá pa trás. Ma, cma ninguém ca sabia qu’era el Capitcha ator daquês goze, assim n’ote dia tava corrê log alvícera de passája de massongue pa tude banda de sês área ondê quês tava morá.

Bem, tchegá vez de Espanhol ma Putche...! Espanhol, quel dia lá na Bar, sempre que sê faca na cinta, já tava c’corpe quente duns dôs bons grogue, mute falador, sempre ta espiá hora na sê arloje de pulse, pel ma Putche rancasse pa traboie, quê Putche tava tmá era só cafê ô limonada, quê el nunca fui home de cóc.

Capitcha, na principe, tive de pensá dôs vez sel divia ô non fazês quel pirraça c’mede de reaçon de Espanhol, bem cunchide na terra por ca ter mede de nada! Smeme assim, um quarte pa dez da note, Espanhol ma Putche rancá ta bai. El, Capitcha, que tava corrê de munde, incurtá camin, travessá Compe de Jogue rapte, bá fecá ta esperás lá naquel passaja, tude nú, garanhode na parede, naquel camin de passája banda de Monte Sussegue.

Putche ma Espanhol tava ta bem num garaiada, ta falá, quonde derapente esse Gongon cendê quel oie de boi e pô ta tchemás, ta fazês quel psssiiittt...psssiiittt...pssiiitt. Putche, fecá log ta tremê, Espanhol pô mon na cinta pa basse puxá faca, ma Gongon ca dal tempe e saltá log da lá derriba pa tchon e rancá trás dês. Esponte foi grande, que Spanhol só tive tempe de dzê Chiiiiçççaaa, dá el ma Putche pô ta corrê na mei daquel escure, dode uns dôs queda na direçon de sês traboi, Telegrafia de PTT dum vez, de Tchã de Monte Sussegue. Ês tchegá lá que linga fora de boca, Putche quaz ta morrê de coraçon e Espanhol ta dzê tude gente cma el ca tava custumá creditá na nada, ma quel dia lassim, devera el tinha oiode prop cosa rum que sês oie.


Despôs duns tempe, nôs Putche bem ranjá um traboi di dia na Shell, o que pa el fui um Glória e um Porta que Deus abril, pa desconse de corpe ma coraçon. Ma, cma na vida nem tude cosa nês Munde ê de rosa, nôs Putche, nova vida, vida nova.

Agora el bem caí na mon daquês data de busode de Shell, quês tinha de trabaiá djunte, moda Armando de Nhô Honore, Nha Banha, Luluzim, Tchalense e más otes que tava passá sês vida ta passá Nhô Afonso, capton de rebocador Matiota, pau c’stora dum cantiguinha quel tinha trode c’seriadade, ma que tude gente tava conchê e cantá, prop pa pirraça, num inglês bem roncoi, qu’era quel:

- I don’t I mean… Ship can never stop… Ship stand around, just like a Top.

O que Tiu Afonso queris dzê nesse cantiga era: - um ca sabê qzê cum ta fazê, rabocador (Matiota) ca querê pará, el querê ê fecá sô ta rudiá moda um pião.

Assim, quel malta tava tchegá segunda-fera na traboi, ês tava dzê Tiu Afonso cma ês ta tinha tocode sê múseca na boie d’Iszé de Canda ô Jon Tolentino (moda Armando tchegá de conta’m). Enton, Tiu Afonso tava fecá contente p’afronta, log el tava longas cada um sês vinte escude, menes Putche, que ca tava entrá naquel jogue, que mede dum dia verdade ser descoberte. Ma quês moce ta tinha Putche na lusbera, assim, cma el ca tava dzê nada, também el ca tava temá nada.

Pa Putche, tude cosa de vida tinha entrode na orda, quê jal ca tava trabaia de note, mede fegíl tê de corpe um csinha, basta el vrá tê corajose. Assim, bá que traboi tava cabá na Shell pa cinque hora da tarde, pê na mama de cadera, el tava bai tê Plurim de Pexe, lá perte Shel, comprá uns dôs cabeça de pexe pa levasse Mã Sabina pa casa.

Prublema ê que nôs corajose Putche de Mã Sabina, moda tude mortal pa camin de casa, tmá mau custume de bá dá de corpe (cagá) nas calma, longe de tude oie mau, lá pa traz daquel parede chei de broque d’antigue Sumeter Dsoite Dôs Oite (1888), que despôs foi transferide lá paquês lode de Rebera de Julion, e que tava fecá um csinha fastode de Sumeter Mercone ma Inglês e de camin de Monte Sussegue.

Chatice ê qu’ês Sumeter tinha sês parede tude ta caí em ruina, chei de bróc pa tude banda, c’cara justim pa casa de Ti Manel de Matos( Moim de Matos), que da lá de sê casa inflizmnte tava sisti tude quel espetacle da tardinha, lusque-fusque, antes de Sol cambá, de gente ta cagá pra lá, o que n’era bom espetacle pa mnine de casa. Enton, quonde tava dá tchuva que viraçon, era um chatice mode quel tcher de matá que tava invadi tude casa lá perte. Um verdader cahtice.

O que bem zará Ti Manel más ê quel bem dá fê cma na mei de tude quel pove cagador, tinha sê grande amigue Putche, cosa quel tava otchá um desafor, quê cumpade Putche ca tinha nescidade de basse dá de corpe pra lá pa quês banda pamode el tinha sê casa.

Inda más, c’aquel polpona vrode sem respeite pa casa de Moim de Matos, ondê que tude família de Ti Manel de Matos tava tmá fê, sem podê dzê ô fazê nada. Enton, lembral cma Putche era medente pafronta, bel log um ideia na cabeça. Nhas gente, bsote ca nem duvenhá colê?!

Ti Manel, que já tinha sê plone bem estudode, um dia da tardinha fecá ta goitá Putche. Qonde el parcê, quel sentá tude feliz ta dá sê polpada, Ti Manel bem devagrim, entrá na Sumeter, bá justim naquel bróc de parede, metê mon e limpá cumpade Putche polpa cum pedra!... Basta, Putche dá um grite e ba ta dzê: - Bi conbersa ê esse... e sei log ta corrê pa casa, ondê quel tchegá c folgue temode, ma fecá caladim, sem dzé Mã Sabina nem familia nada.

No dia siguinte, log cidin, chei de mede, Putche bá ter de sê amigue Fudjinha, sô pa visal pal ca fecasse ta bá dá de corpe lá naquel Sumeter, quê Gongon tive el limpode polpa c’pedra datardinha d’ véspra, lá naquel bróc de Sumeter Dzoite Dôs Oite.

Fudjinha, séc russe d’arri, ca queris nem creditá. Enton uns dia despôs el bem sube de tude quel stora pa prop boca de Ti Manel de Matos, que sabia de sês amizade e dzel cma era sôssim quel tava cabá pa trá Putche quel mania de fecasse ta bá dá sês polpada, na descontra, lá naquel lugar.

Enton, nôs Fudjinha pirracente pafronta, incantode c’aquel ideia de Ti Manel de Matos, pô log storia del ma Putche, na telifone de moreia e storia foi log larode pa tude tchon de Soncente e fecá tê hoje em dia cunchide pa verdione na munde inter.

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

Voltar


Comentário:


Caro " irmao "( da nossa comunidade );Todos esses personagens da tua estoria desde domingo ,conheci-os todos.Na verdade naquele tempo ,havia pessoas que gostavam de fazer pirraças aos outros,sobretudo àqueles que ,tinham mêdo de passear à noite, nos arredores da cidade do Mindêlo .Lembro-me perfeitamante ,dos sitios mais escuros,que nao se atrevia a circular e que tinham a fama de ser ,lugares frequentados por ; "canilinhas"- "capotonas" etc ;- Sao lendas daqueles tempos-. Atràs do campo de futebol ,tcham-de sumetêr até monte sussêgo ;,eram sitios ,que metiam mêdo às pessoas .Esses personagens ,-PUTCHE , CAPITCHA e TI MANEL MATOS ,entre outros ,sao pessoas que ficarao ,na memoria de todos aqueles que viveram naquela época ;Mais uma vez obrigado pelo dever da tua memoria e ainda bem fresca. Aquele abraço do "irmao da nossa comunidade ";Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA             soalmeida@free.fr


Comentário:

Broda, Zizim! Obrigado por mais essa contribuição de grande valor literário e social, que nos lembra nomes de figuras ao lado dos quais muitos de nós passávamos, com muito desprendimento,sem ter a consciência de que eram muito importantes na nossa vida colectiva. "A proposete, nominha Capitcha é derivod del ser de origem de talione"?

manuel delgado             manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Caro amigo e companheiro A nossa missão tem como base os princípios da historia e cultura do nosso povo, baseados nas tradições e respeito aos que foram pioneiros do nosso crioulo maravilhoso. Tive só 4 dias em S. Vicente, mas com sua historia parece -me ter crescido neste ambiente. Por isso, o valor destas historias tem um valor enorme na divulgação das realidades das ilhas, pontes que facilitam maior entendimento e compreensão das nossas vivências e convivências entre a gente das ilhas. Quero ler os livros também. Abraço fraterno.

Napoleao Andrade           napoleaoandrade@comcast.net


Comentário:

Caro Zé,Sinceramente, ainde bem que te temos todos os domingos para nos deleitar das tuas ricas e memoráveis estórias. Ainda me lembro do célebre Bar do Capitcha filho dum italinao e uma crioula por nome de Bia. Se a minha memória não me falha foi ali que aparecera segundo a legenda sãovicentina uma mão na casa do jogo que fez correr toda gente. Ele e o teu pai Ti Djô eram muito amigos. Olha que essa do Ti Manel de Matos e Putche é deveras conhecida quasi que internacionalmente. Que ideia teve o Ti Manel...ahahahah. Olha que eu naquele caso também não gostaria de estar no lugar do Putche. Obrigado Zé, passei um bom momento. Um forte abraço do amigo Fausto

Fausto Almeida           faustoalmeida@gmail.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Moda de cstume malta já lê e gostá tcheu desse sturinha sabim, chei de gente sabim que nôs tude conchê.Putche era amigue ma nha tiu Lilinha e quonde és tava sei na paródia, malta tinha que bai levá Putche na casa mode mede. Esse sturinha ta prop divertide e malta ta mandá mantenha. Quel braça Guey

Miguel M.Monteiro           mucimdereberabote@yahoo.com.br



Comentário:

Sr.Zizim, Acabamos de ler em grupo a sua magnifica estória e como acaba de me dizer a mãe, Gilda manda o nosso comentario "PA NÔ CA FCÀ FORA MITIDA". Achei imensa piada essa expressão que a pedi para ma dictar letra por letra. Realmente a estória é de morrer de rir. E quanto a mim que vim de lá tão pequenina só lamento não ter vivido tudo isto naquela boa realidade de "Soncente de outrora". Bem hajas amigo e Sr.Zizim! Um abraço domingueiro de todos Gilda

Gilda Barbosa Leite            gildableite@gmail.com


Comentário:

Z.Figueira,Leio e compilo todos os fins de semana os teus textos por multiplas razões, uma porque me fazem recuar no tempo da nossa boa infancia e convivência social em que nem distinguir raça ou cor sabiamos,vivendo em plena harmonia nos chamando de "broda" entre nós. Outra pelo sem numero de personagens que nos trazes ali como num passo de bandeja pondo-nos deste modo logo a reciclar a nossa propria memória. O teu trabalho tem sido extraordinário e consequente, pois tens contribuibo muito para que o povo de Cabo Verde se reconheça entre si embora as nossas diferenças fazendo assim uma aproximação louvável que é o que fará a nossa FORÇA. Um abraço daqui das Fontainhas-Santo Antão do antigo colega dos Liceus e vezinhança de rua Da Luz Humberto

Humberto Cruz                 humbertcruz@hotmail.com


Comentário:

Zizim,Um fim de semana sem as tuas "sturinhas" seria "moda um canja d'madrugada sem mlagueta". Ainda estou rindo só de pensar na situação embaraçosa do Putche medroso todo descontraido atrás daquele cemitéio que tambem ainda conheci e rica surpreza da mão do Tio Manuel de Matos a inudar-lhe a bunda...eheheh. O susto não era para menos hum?!? E de morrer de rir esta. Bravo! Gostei imenso. Abraço Manuel

Manuel Fernandes        mfernandes@live.nl


Comentário:

Sr Zizim, A turma toda agradece esse bom momento de tanto rir nessa estoria tão bem desrita por si num crioulo tão suave.Há muito que não tinha feito comentario pois estive muito ocupada mas consegui ainda assim passar no print todas sa "storias de fim de semana na Soncente" cá para nossa gente. Mas estou sempre em dia na leitura adorável dos seus textos.Um beijinho Suelly

Suelly Fonseca        suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Dear Djô Figuera, You made my day here in Orlando-USA.Ô que sturinha sabim na munde, moce inda m tita prei t'arri.Big hug Lili

Larry de Pina          LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

A cada domingo uma crónica diferente das nossas vivências. Tem uma memória fantástica e que Deus o conserve por muitos anos . Muitos parabéns e até o proximo domingo . Um abraço ,Gaby

Gabriela Amado Silva           gabybamado@hotmail.com


Comentarios Anteriores a PUTCHE DE MÃ SABINA


Comentário:

Esta estória tem um estilo um pouco diferente do ritmo alucinante de outras.Tem um vagar de escrita não de um reltor mas de um autêntico escritor na mamipulaçã dos signos na condução dos seus sentimentos. Anedotas à parte ficou-me uma interrogação na forma como os midelenses inventavam os seus rituais de passagem e os "bullings" na descoberte de alguém de outra Ilha para animação da mata.. Bom domingo Mag

Margarida Salomão Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

Comentário:

Caro irmao (das comunidades) . Mais uma bem boa , que tu nos apresentas , esta semana . Lendo-a , pergunta-se , o que era um bom mindelense , (s'êl catinha nada que contà de sê vida !...) Hoje , (êsse mindelense d'agora, jà catem nada pâ contà !.. Naquele tempe era (tempe d'caniquinha, hoje agora, infelizmente el ê .. (tempe d'facadinha).  Aquele abraço do irmao (das comunidades). Um Criol na Frânça .. Morgadinho !..

ALMEIDA Joaquim                  soalmeida@free.fr


Comentário:

Caro Zizim, Outra beleza de estória. Esta então é outra das tipicas aventuras que só se passavam em São Vicente de Cabo-Verde de "nôs gente buzode pafronta" mas chei daquele humor sem maldade. Olha que essa do Ti Manel de Matos e Putche é de morrer de rir embora já a conhecia. Mas está tão bem contada que revivi a cena e me pus a rir sem dar por isso. Rijo abrço e um beijinho Ju

Judith Wahnon                        juwahnon@aol.com


Comentário:

Eu já tinha lido a primeira edição desta “estória pirracenta, publicada neste Jornal,que então comentei, mas acabei de a reler e devo dizer que me diverti como da primeira vez. A diferença entra esta e a anterior edição é que o Zizim, tal como vem acontecendo com a nova edição das suas "estórias", demonstra um visível progresso no domínio da escrita do nosso crioulo, mas também um notável aperfeiçoamento técnico na construção da narrativa.

Adriano Miranda Lima



Comentário:

Amigo Zizim, Recordar é viver! Esta do Putche de Nha Sabina é internacional e se contares isso a um qualquer estrangeiro ele não acredita. Pois tenho cá um amigo australiano que contei-lhe a storia até agora como eu está a rir mas sempre incrédulo. But never mind! Assim era gente de nôs Soncente que sês humor. Bravo Zizim! Adorei como sempre e bem sabes que as tuas estórias nos enche o coração todos os domingos nestas terras "longe". Um fraterno abraço daquei de Sidney-Auatrália. Terencio

Terencio Lopes                         terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Sr.Zizim, Esta de hoje foi só para rir mesmo. A mãe eu eu ainda estamos a rir porque o que achei graça é que não quiz acreditar mas ela conhecia desde rapariguinha a dita estória do Manel de matos e Putche. Força Sr.Zizim para poder nos enviar mais destas. Um beijinho nosso. Suelly

Suelly Fonseca                           suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Meu Caro Zizim de Ti Djô Figuera, ESTA ENTÂO ESTÁ EXCELENTE E TIPICAMENTE CHEIA DAQUELE HUMOR SÂOVICENTINO QUE MUITOS NÂO ATINGEM E SEMPRE FEZ PARTE DA NOSSA CULTURA!... AO MENOS ESSA O "BULLDOZER" NÂO CONSEGUIRÁ DEMOLI-LA. Obrigado nh'irmunzim de sodade. Mantenha de nôs tude. Guey

Miguel M.Monteiro                       mucimdereberabote@cvtelecom.cv


Comentário:

Zizim, Como sempre adorei e já passei no "print" para a leitura logo na Associação. Como ainda estou a rir desta aventura, presumo que logo vai ser um delirio lá na sala tal como ja nos habituaste de vez enquando. Bom domingo e manda sempre. Beijo Yo

Yolanda Dias                              yoldias@aol.com


Comentário:

Seu Chapa e colega Engº Geógrafo Zizim Figueira, Há muito que não apareci para comentar, não por falta de vontade mas sim por falta de tempo. Mas com esta estória de hoje que é di morti e em que me encontro embalado de tanto rir, não pude resistir nem deixar de vir cá apresentar o meu sentimento positivo. Uma verdadeiar maravilha de estoria onde encontrei todo aquele humor que nos é caracteristico. Bem hajas colega. Vão daí votos da minha mãe, amigos e vizinhos, pedindo a Deus que lhe dê aquela força para poder continuar nos deleitando dessas riquezas bem nossa. Abraços Humberto

Humberto Dias                             humberto.dias@yahoo.com.br


Comentário:

Boa Djô! Sempre c'aquel espirte de buzode de gente de Soncente pa contone ês sturinha sabim pafronta. Ô tonte d'arri daquel mede de Putche, moce. Ulim li ta mandobe mantenha Lili

Larry de Pina                    LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zé, Cá estou mais uma vez participando nesta rizada e para te dar mais do 20 (vinte) valores por esta sublie estorinha. Grande abraço Toi

Antonio B.de Pina                    toipina@netcabo.pt


Comentário:

Zizim, Esta não conhecia e está mesmo muito boa e conseguiste por toda gente de bom humor esta manhã cá em casa. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo para que te dê muita saúde e força para poderse continuar. Bom domingo e um abração. Neusa

Neusa Rodrigues                 neusarodrigues@aol.com


Comentário:

Uma estória bem escrita e muito bem ordenada num crioulo "very soft" posto á disposição de quem sabe ler. O aspecto humoristico e hilarante é tipicamente da gente de S.Vicente que sempre soube apreciar. Parabens Zizim e rijo abraço do brother Gil

Gil Semedo                          gil.semedo@cvtelecom.cv


Comentário:

Oi Zim kiridu, antis di mais bom domingu. mais um storia pa kontinua es dia di alegria! Forti abraçu.

Ines                       ig@hotmail.com

Voltar