JON DESPI MORTE (ONES 1950/1960)

Quem de nha rua ma de nha tempe ca ta lembrá daquel rapazim por nome de Jon Despi Morte, de quexada de vidre quadrode, moda um boxer bedje custumode ta levá de soque na ring? Mauzim de munde, el tava pô tude mnine, sês culiguinha, ta feji que mede del ondê quel tchegaba.

Basta se um de nôs tivesse ta cmê um cmida na rua, el ca tava pedibe sê parte moda era de custume entre nôs, nem done tempe de pensá dôs vez, quê el tava bem ta tchegá e tmone quel cmida flope(full up)! E fecá t'arri!!!

Custumode ta ijdá Nhô Padre dá missa ma cumpanhá interre, um dia dmingue, el ma Tuiim ta bai na rua de SanBandera, ês uvi quel sine n'Igreja, ês tude largá ta corrê pa oiá quem tava tchegá primer na sacristia pa pudesse ba ganhá quel cinque ô dez toston de cumpanhamente…

Manhose e esperte, daquel escola de vida de rua moda el era, cma Tuiim era más rapte e proveitá de passal pa diante naquel corrida pa Igreja, el passal log um calaca pa camin, dá nôs Tuiim estrá lá pa tchon que joei ma broce tude escalabrode ta torcê de dor, fecá pa trás e perdê tude feeling de continuá.

Assim, nôs Jon Despi Morte pude vançá e tchegá primer na Sacristia de nôs Igreja de Nossa Senhora da Luz sem problema, que Nhô Sulveste Sacriston já lá na porta infrontode ta esperal pa mandal infiá sê túneca pa's pudia basse ijdá Nhô Padre dá quel missa. Jon, custumode na sês manhenteza, bai ta passá pa Sacristia e ca pude resisti quonde el oiá quel Taça de Santa Ceia chei daquel bom vin sagrode de missa e voope, el ptal na corpe, inglide one time!

Nhô Sulveste, que tava custumá tem dôs garrafinha lá na Sacristia, um bronque pa vin de missa na Igreja e um verde pa pô sê gruguinha, naquel passaja rapte el notá sem descunfiá cma quel Taça de Missa inda tava baziu, sem vin e derriba d'hora e anton, tude ta corrê sem pensá ô fazê atençon, el panhá pa ingone um daquês garrafinha que naquel dia mez, p'azar de vida, era tude bronque, el ruvral tude na Taça daquel missa já ta bá começá, sem pensá cma era grogue em vez de vin! Tude ês cosa pa mode gote-manha de nôs Jon Despi Morte!...

Anton Nhô Padre, qu'era nove na casa e que té inda nem tava conchê grogue, começá ta dá missa devagarim, tude dessegadim, té que tchegá hora sagrode de levantá quel Taça de Santa Ceia… e dum só golpada el ingli quel grogue pa ser vin!!! Basta foi log um trapaiaçon, quê cma el ca tava ta esperá aquel efeite assim tão violente, dá el vrá tude brumedje por via daquel bibida forte!

Loreta sental pele, quê guela fecá prop ta quemal! Ma cma era durante missa, pa mode sistência na Igreja, el foi obrigode de guentá tude quel sofrimente lá caladim té na fim!

Quonde missa cabá, Sulveste, sem pensá na Jon Despi Morte, que ca tava nada nocente na tude quel stora, quê el é que tinha bibide quel vin de missa que tava na Taça pa ladainha, pensá e fecá cunvincide cma tude quel ingone ma culpa era de seu!

Anton Sulveste tive de pedi Nhô Padre desculpa, despôs de ter explicode tude stora daquel ingone, tintin por tintin, sem falá mentira ô gaguejá, cosa que Nhô Padre comprendê e perdoá. Despi Morte, secritim, mansim moda um anjim, fecá lá num cantim que sê carinha de sonte ta fazê de nocente.

Sulveste, levode de raiba de sê prop asnera, cosa que despôs de tonte one de Sacriston nunca tinha el contecide, metê mon na bolse, panhá do que bem e longá Jon Despi Morte só cinque toston, em vez de dez, pa sê traboie!

Despi Morte, lixode só c'aquel cinque toston que Sulveste dal, rote d'Igreja moda el era, fecá ta goitá pove sei d'Igreja e proveitá log pa ba ta corrê pa Caxa das'Alma tentá recuperá que sê ímen más uns toston, moda el tava custumá fazê!

Ma lá anton é quel fecá inda mas lixode, quê Nhô Sulveste, que também era esperton e tinha descoberte quel gote-manha, ranjaba um armadilha quel pô dentre daquel Caxa, que tava caçá e bloqueá ímen de tude ladronzim que tava tentá ba robá denher das'Alma naquel broque de Caxa na Igreja!

Um czinha desconsolode, el cambá rua de Matijim ba ter de sê amigue Tuiim, que té inda tava pra la zarode mode quel calaca, só pa ba dzel cma, na fim das conta, el é que fazê bem de ca bai, quê quel dia na Igreja cosa ca tinha rindide mute…

Anton, c'aquel lume na banca (fome) cma denhirim sei de poque, el pedi Tuiim pa's juntá sês dôs cinque toston pa podia fazê dez e ês basse té lá na Dminga badia comprá quel pon de trança que cinque toston de mel pas partiba na mel.

Assim foi. Pon de trança deçapode em dôs, frode quel broque na mei que dede de Dminga, ptode cada um sê czinha de mel, fui um cosa sô! Cma ês era dôs rapaz nove chei de força, sempre ta bescá traboie, Dminga proveitá log de situaçon e perguntás sês tava interessode na ganhá denher. Quebradon moda ês tava, resposta foi log cma sim, sem pensá!

Anton, Dminga dzês p'ês fecaba ta sabê cma tinha morride, lá pa Bela Vista, Nhô Alfrede Manoque, tiu-avô de Munquite caiador, pintor famose de Soncente, tude's dôs natural de Bubista… E ela ba ta dzê Jon cma ela sabia cma jal tinha custume daquel traboie, ma smeme assim sel quizesse el tava levás pas basse ijdal lavá e pô sê cumpade Alfrede na caxon. Pa Jon Despi Morte ma Tuiim, sês boca ca tava lá e ês cambá ma Dminga pa Bela-Vista pa quel casa de morte ba fazê sês traboi.

Anton, log quês tchegá caxon já tava pronte, dá foi sô escambrá morte cum bonhe morne de pone moiode naquel selha d'ága quente quês tinha puste lá na tchon trás daquel biombe. Tchegá hora de bá besti morte! Jon ma Tuiim estendê morte, infial sê ropa quel tinha de levá ma el pa munde de verdade…

Ma da lá bem sei um grave problema, que ninguém tinha pensode: é que Nhô Alfrede Manoque era daquês motche bem armode pa lode de sê sexe! Basta Tuiim, p'abuse, vrá baxim pa Jon, el dzel:

- Moce, Jon, bô sabê cma um tem custume de fazê esse traboi d'ijdá diasá! Ma mi desse lissim nunca um oiá! Esse home é quaz moda um burre!...

Jon reagi log na goze e respondel:

- Puxa, Tuiim, bô c'oiá cma esse home ê de Bubista, hum?!

Ma quel conversa tive de pará log quê Nha Maninha, amdjer de falecide, ma sê cmade Dminga bem ta tchegá… E quês dôs cumpade c'aquel problema sempre lá sem ser resolvide, pa mode quel grande "bibiche" de Nhô Alfrede Manoque quês ca tava ta podê metê dente de calça!

- Log um chatice, dzê Jon!

Despôs de tonte descusson ma fala, Jon Despi Morte vrá pa Nha Maninha, el ba dzel na respeite cma se ela tava ceitá, el tinha um manera de fazê que tava custumá resolvê quês problema lassim, quê pa el já n'era primera vêz!

Anton, Nha Maninha, que já ca tinha más tempe quê interre era dali a um hora, ca tive ote ramede senon sende de dzê cma sim!... Log Despi Morte pedi Tuiim pa isdal e, que mute jitim, ês bai, ês bai, té quês consigui vrá quel "bibichon" de Nhô Alfrede Manoque cabeça pra boxe, té infial el na sê prop broque de polpa!

Pa desconse de dona de casa, coitada, que na mei de tude sê quebra ma tristeza grande já tava té ta pensá na ba compra ote ropa. Ma dá cosa fecá cool, quê daquel jete lassim ês pude fetchá quel fixe-raie daquel calçona, assim tude cosa fecá ta parcê normal na oie de gente e ês pode pô Nhô Alfrede Manoque na caxon.

Moda tradiçon, sei log uns grogue pa trá poera pa Tuiim, Jon ma cmade Dminga, que Nha Maninha ta felicitá Jon Despi Morte pa quel ideia luminosa! Anton, log na acte contínuo, Nha Maninha, na conversa ma sê cmade Dminga, cumeçá ta notá cma sê maride Alfrede, lá dente daquel caxon, tava que ága ta esgritchil pa cara boxe moda sel tivesse ta tchorá…

Lá Nha Maninha, cum czinha de mede, vrá pa cmade Dminga e dzel cma quaz defunte Alfrede ca fecaba nada contente c'aquel ideia que Jon Despi Morte ma Tuiim tive d'infial quel cosa de seu na sê polpa?! Dminga, sempre corajosa e desinrascada, log dzê cmade Maninha que manera anton qu'ela queria pa quês moce fazeba?!

De tude manera, o que tava fete já tava fete e ca tinha más remisson de pecode. Inda ela crescentá cma cabá cumpade Alfrede, pai daquês monzada de fidje já home ma amdjer de sês casa, já tava morte e bem morte derriba de sês noventa one, vivide e bem vivide!

Anton, foi lá mez, deboxe de respeite e tude discriçon traz d'oreia, que cmade Maninha de Nhô Alfrede Manoque, levode dum poque de raiba pa quês palavra de sê cmade, bem confessal segrede dum data d'one de vivença ma quel home sê maride! E ta repeti quês prop palavra de sê cmade Dminga, ela dzê:

- Sim! Noventa one de vida vivide e bem vivide sem merrinha! Nem bocê ca ta imaginá e bocê ê que tem razon, nha cmade, quê devra ca tinha ote manera de faze c'aquel cosona de seu! Basta que durante tude ês one que nô vivê djunte, el meteme el bem mitide na nha broque de cú sempre escontra nha vontade!

Dminga dá um gritim sofocode! Ma nha Maninha continuá:

- Agora olal pra lá naquel caxon bodsê ta tchorá… E um ta dzê cma sel tita tchorá é que razon, quê el tita tmá fê de tonte sofrimente quel fazeme passá tude um vida que nô vive djunte! DESGRAÇOOODE!!!

Basta Dminga, mufina que ca tinha dôs na tchon de Soncent, torná dá más um grite quonde el cabá d'uvi quel conversa de cmade Maninha de cumpade Alfrede Manoque!... Ela pedi quel pove colcença, quê jal ca tava ta podê guentá más, ela sei pa rua pa bá arri, arri, torná arri té sinti dor na barriga !

Gente tava ta perguntal era o quê?! Ma ela sempre muque! Quê segrede dum n'é de dôs ma três, ma sempre t'arri de vez inquante, quonde quel conversa tava bel na mimória! Quonde cosa calmá, ela tchemá quês moce pas basse almoçá um fejon pedra que fursula quel tinha fete pa ês, lá na sê casa na Bela Vista, também perte de casa de morte, pa pagás sês bom traboie.

nterre foi da tarde e tude cosa corrê dritim, só que Dminga, sem podê controlá, fecá sempre c'aquel rizim na conte de boca tude vez c'aquel stora daquel conversa del ma sê cmade Maninha tava passal pa cabeça! Ma sempre na respeite, sem dzê ninguém nada…

Uns dia despôs foi más um tristeza grande pa Dminga e mute gente de zona, tonte de rua de Matijim cma Bela Vista ma Fonte Francês, que já era custumode que sês picardia!

Quê nôs Tuiim ma Jon Despi Morte tinha dode nome e ês tava ta cambá pa SanTmê cum controte pa três one (1956/1959). E assim foi! Ês vivê quês três one na roça ta safá rascada sempre d'amdjor manera quês pude.

Jon Despi Morte tava ijgá futebol na Sporting de Roça pa competiçon contra equipa de Babute, ondê que tava ijgador famose moda Lela de Panane, Anton de Páscua, Daniel Giminha, etc… Tinha também quel grande equipa tchemode Colónia Ciliana, que Pidrim Macomaque, antigue ijgador de Derby, era dirigente.

Tempe ba ta passá té que controte fetchá na 1959. Jon ma Tuiim bem, na mei daquel trupida de gente, sês camin pa Soncente, sês terra inda más quebrode do que quonde ês tinha bode! Log um chatice, quê vida na Soncente ca tava também grandes cosa! Jon passá ta isgá na sigunda de Derby e sempre ta trá um dia de traboi quonde el tava parcê, na cumpainha de sê amigue d'infância e vezim Tuiim.

Anton el torná metê naquel vida que jal tinha custume dantes, de tratá gente morte, pôs na caxon, etc... Dzide té cma el tava custumá herdá tcheu cosa daquês morte na hora de pôs na caxon ma na cova… Assim, pove sempre tchemal Jon Despi Morte e el nunca tava chatiá.

El, sê boca ca tava lá, quê tive tcheu daquês morte quel pô na caxon quaz tude nú ô anton otes el tava dexá interrás e de note, na Sumeter 1888, el tava ba fazê sê traboi de recuperaçon de cosa de valor, que despôs el tava ba vendê pal podia tem que cmê, pa el ma sês fidje!

Dzide cma um vez el panhá um suste quê, despôs dês ter interrode Nhô Jon Pritim Pxá Pa Linha, el cambá Sumeter já de nutinha pa ba despil. E, na hora quel abri quel caxon, quel mon d'anel de Nhô Jon Pritim, que dzide era bruxe, sebi pa riba dá fecá fora de cova, dá Jon espantá! Ma Jon, sempre destimide, continuá sê traboi moda se nada fosse!

Ma mede bem tmal conta de corpe, quê Nhanha de Nhô Jon Pritim Pxá pa Linha bem sube de tude quês cosa quel tinha despide sê maride na cova e vindide… Anton, ela ca bai pa pliça, quê n'era custume, ma ela decidí ba dá Jon nas'ALMA lá na Igreja de Nossa Senhora da Luz! Brrrrr…

Lá Jon sinti prop mede, quê de note cumeçá ta sail uns caroce na corpe. Assim, na dia siguinte log cidim jal tava na porta de Nhanha c'aquês cosa! El intregás tude e bá ta pedi Nhanha pa ca dal nas'ALMAS!

E assim Nhanha desfazel quel novena, dá quês caroce desaparcel de corpe! E esse cosa bem sirvil de liçon, quê el pude cuntinuá que sê traboi de dá gente morte bonhe, pôs na caxon e encomendás pa MUNDE DE VERDADE sem mexês, más nunca más, na do qu'era de seus.

Zizim Figuera (José Figueira,junior)

V o l t a r


Comentário:

Por muita insistência do Zizim - pois tenho o meu trabalho, a minha família, o meu desporto, o meu grupo de fotologuistas e muitas outras ocupações - ando a rever as suas estórias.

E acedi pois considerei que as estórias escritas ajudarão a preservar a vivência do nosso povo, numa evolução deveras histórica, rica e sui generis, pelo que valia a pena melhorar a sua redacção, já que o Zizim escreve com base no léxico francês, por viver há anos em França.

Daí resulta um crioulo difícil e adulterado, razão por que eu não lia as suas estórias anteriormente. O crioulo deriva do português, numa mescla viva com a sua raiz africana e com as influências de outras línguas, como o inglês e o francês, já para não falar noutras.

Não tenho a pretensão de ser linguista, mas a minha profissão foi principalmente ligada à escrita - e não só em português - e os conselhos que dou ao Zizim é com a frontalidade de que o avisei desde quando ele me abordou por mail, ao identificar-me com o seu "saudoso explicador Pirique".

Explico-lhe porque não se escreve "diazá" mas sim "diasá" (provém de "dias há" / dias(h)á) e o S tem valor de Z no meio de duas vogais; que não é "peche" e sim "pexe" (a origem é "peixe" / "pe(i)xe"); que não é "gzinha" mas "czinha" (provém de coisinha, no sentido de alguma coisinha/ algum bocadinho); que as palavras não podem ter dois acentos, como em francês; etc, etc, etc.

Quando o aconselho a moderar a utilização das palavras quando escreve, é porque o contador de estórias tem o seu público em frente e pode usar as palavras consoante a auscultação inteligente que vai fazendo da sensibilidade dos ouvintes.

Mas, como contista, há que considerar que a escrita não se dirige apenas a adultos e há que assumir sempre o papel de educador. Por isso, uma coisa é escrever "broque de polpa" e outra é usar palavras mais ordinárias, que podem ferir a susceptibilidade de alguns.

Eu conheço a obra completa de Jorge Amado, que possuo quase toda para rele-la sempre que me apeteça, e sei que ele foi um mestre em contar as estórias do seu povo com tal vivacidade que parecemos fazer parte delas enquanto as lemos, mas usando palavras brejeiras e não ordinárias.

Por último, há que usar os ditados no seu contexto. Há tempos discutia com um superior hierárquico que me dizia que "Tudo vale a pena", ao que lhe contestei que "Nem tudo vale a pena", pois Fernando Pessoa não justificava ilegitimidades ou irregularidades com essa frase célebre.

É o mesmo com o velho ditado "Mulher séria não tem ouvidos". Como diz a "zézinha" Lili Caneças, "uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa". Assumo-me como mulher livre e independente do seu tempo, mas separo as águas entre um contador de estórias e um contista. Como leram, não corrigi as palavras que considerei mais ordinárias".

Dei o meu conselho ao Zizim e ele optou por não me dar ouvidos. Ele é que é o contista, ele é quem decide. Além de que posso ter percebido mal o objectivo do seu legado das estórias ao povo cabo-verdiano...

Cumpre ao Zizim ter a última palavra!

Ernestina Santos
tina.ssantos@gmail.com

V o l t a r