JULGAMENTE D'NHÊNGA D'BILAUZE

Liza d'Nha Rosa Mendes, menininha nova na flor d'idade, surda-muda, nascide e criode na rua Sabandera, tava ta rebentá d'toque, mute salienta…

Moda tude criston q'Deus pô ness munde, ela também tinha direite d'gostá d'quem q'dal na goste. Prublema, é q'ela já tava formada amdjer, ma sô tinha catorze pa quinze one, cosa q'ninguém sabia q'força d'natureza, ta trabaial na sê corpim trique e traque...

Bscaruda, intentada, surda-muda d'nascença, era mute intligente, qué na sê gête, ela tava comprendê tude du q'gente tava dzê, sô ta spiá gente na boca... Anton, sê resposta, tava bem log pa mei d'sinal, ma quês buuuu...buuuu, d'sêu q'tude gente lá na nôs rua, já tava cstumode uvi.

Smême assim, Nha Rosa Mendes sê madrinha, ca tinha brincadera q'ela, ta tinha ela sempre limpinha, bem tratode o q'tava fazê d'Liza um stampa d'menininha e spertá cubiça, d'tude qués uim galoze daquês moce, d'nôs rua e zona.

Um segunda-fera d'plumanhã, despos d'um grande final d'campionate, Mindlense X Cademca, d'dia dmingue q'Cademca tive sorte d'ganhá... Pa tristeza d' tude menine d'zona. Nôs rua cordá, n'alvaroce d'um triste nutícia.

Liza d'Nha Rosa Mendes, parcê na casa log cidim, q'um carinha triste, bem tchorode, cabel tude sfluride q'um mon pa diante, chei d'vergonha, ta gatchá sê bestidim tude chuje d'sangue... Quê ela, tinha pirdide sê virgindade, incostode, lá naquel parede d'Compe d'Jogue.

Quel cosa, fui quaz um conséi d'guerra, d'tude quês mãe d'nôs rua... Nha Rosa Mendes, trapaiada sem sabé q'fazê, marrá sê chaile na mama d'cadera q'Luiza ptode pa diante, ês cambá casa d'sê Mã-Ti'Daluginha q'mandá tchmá, cmade Ginha, Laura, Antonha d'Ceril e mas e mas...

Um data d'gente rinquiode na porta d'Mã-Ti'Daluginha, ta sperá sabê du q'tinha passode. Ma tempe ca tava ta dá pa mute conversa, anton Nha Rosa, ma Ti'Daluginha, cambá Staçon d'Pliça, ba quexá.

Na Staçon d'Pliça, chef Manê Gêjar, racebês q'aquel ruspeite d'um vês, mandás sentá e sperá um bocadim. Despos d'uvi tude quel stora, contode saluçode, pa quês dôs cmade, el encarregá quel pliça q'tude Soncente tinha mede, por nome de "Dezoite", pa procuraba sabê quem era responsavel daquel crime.

Liza, sabia quem era, qué q'aquel paixon q'ela tive pa Nhenga d'Bilauze, na época grande guarda-redes d'Cademca, rapaz sporte, inda mas "Campion" d'um fim d'semana. Resolvê, pa primer vêz, namorá ma el, ma sem sperá q'tude quês cosa, tava ta bá contecêl, assim tão rapte.

Dezoite, junte ma Nha Rosa Mendes e Ti'Daluginha, cumeça ta tmá Liza pa bique, lá na Staçon, ma cosa ca bá mute longe qué pa geste ma sinal e alguns buuuu, ela cabá pa fazês comprendê, cma quem tinha sirvide d'ela, era um guarda-redes ?!

Log pliça, mandá intimá alguns guarda-redes moda Troquate, Guste, Nhenga ma Dui ! Liza, ma tude familia lá ta sperás na Staçon!... Log q'ela oiá Nhenga, tchgá lá na Staçon d'Pliça, el ca sperá pa mas, el pontál log q'dede, assim quês ote nocente, pude ba'mbora pa casa.

Afronta maria, trançode q'vergonha, cumeçá pa Nhenga, basta s'el tava otchá um braquim p'el gtachá, el ca tava pensá dôs vês... ma qonde el tava sabe, el ca tava ta lembrá na bô é q'sabe !!!

Pliça Dezoite ma Grama, já ptá Nhenga pa diante, p'el bass mostrá lugar, ondê q'el tinha fete Liza "muda" quel asnera... Telifone d'moreia, trabaiá log e tude Soncente fecá ta sabê, basta fui pove ta sigui quês pliça ma Nhenga, té tchgá naquel parede d'Compe d'Jogue, nem ca fui mistide mute splicaçon, qué inda la na tchon na tava tude chuje d'sangue...

Tude gente: ooohhhhh ! Mário Boca, q'ca tava midi sês palavra, vrá na mei d'pove el dzê : - oh Nhenga, bô dal um boa bebejada hum ?!

Dezoite, pliça d'seriedade, tchgá na Mário, dal uns carol na cabeça e mandal ba'mbora... Cosa q'Mário, fazê log ta corrê e q'parti vontade pa quem q'tava q'ideia d'dzê mas algum cosa ?! Assim, quel reconstituiçon pa processe pude cuntinuá sem mute xatisse.

Tude gente, despos pude bá, cada um pa sê casa qué processe, bá pa Tribunal... Q'na época d'Juiz Indione Tchátchátchá ( nome q'pove d'Soncente butzal ) um virgindade era ô casá ô anton, três onde d'cadeia, na Tarrafal d'Santiago...

Tchgá dia d'julgamente, pove d'munde na porta d'Tribunal, pa quês primer debate d'procurador q'era Dr.Serra, contra Dr.Ruzinha q'Cademca tinha puste pa defendê Nhenga d'Bilauze... Basta, Bilauze, mãe também, já tinha bode pedi Nha Rosa Mendes, ma Ti'Daluginha, perdon pa sê fidje !?...

Ma ês, dzel ok ! Ma q'cosa já tinha bode mute longe e q'ês ca tava podê fazê nada ! Nhenga, tava tude rapindide, inda mas quel tinha Lutchinha, lá na casa ta sperá tem menine. El tava dvera, num catumba d'fogue, ma naquel fulia d'campion d'um dia el ca pensá na sê cabeça, na vida d'Liza quel tava ta bá stramontá...

Moda el tchgá dzé Juiz, Liza tava d'acorde, ma prublema é q'Liza era menor d'quinze one !!! Na mei d'tude aquel trapaiaçon d'julgamente, cosa série, cosa d'arri, ca pudia tchá d'parcê na mei daquel spirte d'humor, prop d'Soncente...

Juiz, despos d'ter uvide, acusaçon ma defesa, vrá pa Nhenga e dzêl : - oiça lá meu rapaz... Nhenga pô impê !... Você então, estava com uns copos, não é ???

Nhenga, vrá deboche d'educaçon, chei d'humildade, el respondé Senhor Dr. Juiz, cma devera, cma ês tinha ganhode campionate, el tinha tmode sô dôs cupim, e el ba ta respondê Juiz, ta mostral q'dêde ta ponta, sô pa dôs polegadinha...

Anton, Liza muda, q'tava sentode lá na sala, ta sisti tude, q'oiá geste q'Nhenga fazê pa Dr.Juiz, ta pontá pa sô dôs polegada d'sê didim, pensá na sê cabeça cma Nhenga tava ta falá ametira!...

Ela dá um solte d'cadera, chei raiba ta crê falá q'sês buuuu... buuu... Juiz, anton dzê pa tchal falá!... Ela, pa geste, fazê Juiz comprendê, cma ca fui nada sô um puntitchitcha q'Nhenga mêtel!?... Ma sim, tude sê big corpe d'home !!!

Pove tive um ataque d'rize, q'ninguém tava ta podê controlá!!!... Anton, Sr Dr.Juiz, mandá evacuá sala... Tude gente pa rua e stora assim, pude fazê volta d'Soncente inter !!! Lembrode té data d'ahoje !

Tude gente ba pa casa, qué setença era um mês despos, Nha Rosa Mendes ma Ti Daluginha, bem fecá scançode, qué Liza bem oiá sê "chica", prova q'ela ca tava ta sperá tem menine, o q'pa ela, fui amdjor assim!...

Qué despos, ela pude fazê um vida normal!...

Sr.Nhenga d'Bilauze, q'ca tinha ideia d'casá, nem flaça, feji pa Dakar na Tangal, p'evitá quel cadeiada d' três one, na Tarrafal d'Santiago... Ma smême assim, fui julgode pa contumácia...

Zizim Figuera (José Figueira, Junior )

V O L T A R


Comentário:

Zizim será que esses actos de abusos das mulheres terminaram em Cabo Verde? Até quando se sabe, houve uma violação na viagem entre Praia/Fogo e ainda está em àguas de bacalhau, por que dizem o protagonista/autor ser filho de gente importante.

Será que gentes importantes da nossa terra tem mãos livres para fazerem o que querem? Zizim levantaste um problema crucial que urge resolver em Cabo Verde ou será que vamos continuar a insistir esses estratagemas a serem praticados para todo o sempre na nossa terra pelos senhores importantes?

Sei que há gentes valorosos e destemidos na polícia, nos tribunais, mesmo ao lado de alguns "aprendizes de corruptos" alegadamente aparentam serem mais sérios do que a mulher de César. Para quando, os nossos valorosos e destemidos e homens sérios da justiça comecem a actuar sem olhar ao dinheiro e ao poder?

Zizim esta tua estória tem mérito por alertar os acontecimentos que continuam a acontecer em todo Cabo Verde de forma impune. Pela forma com vem alertar as consciências que a independência, teve como pressuposto eliminar essas injustiças! tinha como pressuposto a igualdade perante a justiça de todos independentemente dos lugares públicos e sociais ou de riquezas que ocupam na nossa sociedade.

Onde está esta igualdade da justiça? Por outro lado, é um documento histórico e cultural de algo que pressupõe irradiado que ainda contínua. Ainda e por último tem o mérito de ser intercalado nos diversos contextos do nosso povo e local. Claro que Cabo Verde ainda não é independente. sabemos isso, temos 2 (dois) partidos a lutarem pela independência de Cabo Verde.

Lembras do PAIGC na Guiné e do PAICV em Cabo Verde?

Qual deles é que querem a independência ou a Unidade Guiné-Cabo Verde?

Era bom que Cabo Verde fosse independente um dia! Um abraço de persistência de ser sempre Caboverdeano.

Mantenhas desde cá do exílio.

Henrique De Pina Cardoso
hpcardoso@mail.telepac.pt

V O L T A R