CHIQUINHA D'SPÀ

Chiquinha, vrá doente mental, dum momente pa ote, sem ninguém sabê porquê ô cmanera!?... Ma, era daquês doente mental q'ca tava incmodà pove. Ela, sô tava fcá um gzinha mas xcitada, era naquel tempe d'festa d'tambor, (SantAntone ma Sanjon) q'tava fazel vibrà, e sei deboche daquel sombra q'era sê casa, na mei daquês bonque d'semente, ma acácia, cosa q'ca tava faltá la na Praça!...

Quel dia plumanhâ, moda era d'cstume, Praça Strêla, lugar d'tude d'alvicera d'Mindelo, cordá deboche d'mas um grande arreloce!... Sô q'vitma desse vez, era Chiquinha d'Spà q'tinha bode cabeça, já tinha uns tempe, e parcêba pra lá log cidim, na dia d'festa d'Sanjon"24 d'Junhe"q'cabel tude sfluride e sês ropa bedje tude ratchode ta tchorá saluçode, bloquiode sem podê dá um piu, ô xplicá du q'ês tinha el fete... Doida, inda mas na pobreza, pa ela ca tinha justiça.

Fui um revolta geral, siguide dum grande triteza, pa quem q'concheba ela, tude fininha, bnitinha, sempre triqui-traque, bem ranjadinha ta trabiá d'cuntinua na Scola Camões, despos Scola Nova... Agora, q'cabeça mariode, ta drumi na rua, naquês bonque d'Praça Strela, caíde num situaçon d'miseria, sem podê conchê gente q'sê mimoria completamente cortode desse munde!...

Ela, na tude sê nocença, ta spendê barra d'saia d'sê bestidim fluride, diante d'tude gente, ta mostrá pove sê sainha deboche, bronque tude xuje d'sangue, pa prová du q'ês tinha el fete!?... Nha Chica d'Manel q'tava cstumá longal, sempre um cosa d'cmê, qonde ela quei na sê inflecidade, sei da la d'sê butequim, deboche d'antigue Club Sportive Mindelense, tude xatiada ta fastá pove, pa pudia tchgá na ela, e prestal algum sistência.

Primer pergunta q'ela pô Chiquinha d'Spà, fazêl bodzê efeite d'um xoque iletrique!... Cuitada, basta ela bem na sê mimoria e torná pô ta soluçá, ta desbaratá, tude du q'tinha passode ma ela, naquel note, la naquês bonque d' Praça Strela... Tude o q'ela pude dzê Nha Chica, é q'era dôs moce forte q'pegal pol na tchon e fazêl asnera na sê cachinha, té fcá ta doel!...

Chiquinha, vrá doente mental, dum momente pa ote, sem ninguém sabê porquê ô cmanera!?... Ma, era daquês doente mental q'ca tava incmodà pove. Ela, sô tava fcá um gzinha mas xcitada, era naquel tempe d'festa d'tambor, (SantAntone ma Sanjon) q'tava fazel vibrà, e sei deboche daquel sombra q'era sê casa, na mei daquês bonque d'semente, ma acácia, cosa q'ca tava faltá la na Praça!...

Tive quem q'dzê, cma ela era subrinha d'gente rique ( Dona Eugénia Serradas ?) o q'tava levá gente a creditá quê d'vez inquande, ela tava parcê bem ranjada, marrode bnite lence na cabeça e qonde ela ta dá sê pancada, ela tava sei q'sê bnite lence d'cor, ta dá viva nôs tude!... Viva Cab Verd!...

O contrario d'Bissau ( Sr.João Gualdino) q'era mau dmunde qonde el tava dá sê pancada d'dode, tava dá viva Portugal, ta rufná pove pedra, e sô ta falá português...

Chiquinha, moda tcheu otes, tava andá pra lá, ma ninguém nem tava falá na Internal ô mandal pa Praia, pa Hospital d'gente dode na Trindade. Tinha té q'tava dzê cma ela tava stode era mas ta fingi, pal pudia ca trabaiá! Senhor Deus, cma linga d'pove, as vez é mau ?!...

Assim, na dia daquel desgraça, tive quem q'fcaba dmirode ta dzê, se na dvera tive home q'tinha tide coraja d'incostá num amdjer xuja daquel, ta tcherê mafe assim daquel manera?!...

Tive otes q'dzêba cma quel o quês dos malandre divia stode fusque. Xissa dzê Afonse Coronel, dvera sô pudia ser assim quê dote manera, não!?...

Anton, Canhota bem pa traz n'goze, e dzê Afonse baxim n'uvide, cma, qual stora, ela na momente tê divia ter gostode?!!!... Afonse, largá t'arri ma el reagi log na seriedade, ta dzê cma hora era grave!... E se fosse sê irmã ?!... Dá Canhota tchá d'arri e ba mbora!

Durante uns dia lorge, quel desgraça d'Chiquinha d'Spá, tive spaiode na boca d'pove d'Soncente, moda um dia d'lute nacional!... Basta quel cosa pô gente d'terra indignode ta perguntá: - ma q'raie d'terra é esse, ondé q'jás vrá ta sirvi té n'amdjer mariode d'cabeça?! Senhor Deus, ondê q'no tita bai ???

Desse jete li, amdjor é no fazê mas cuidode na nos filha, porquê cosa tita vrá prop mariode! Otes tava dzê cma era falta d'admistraçon ma governe, q'ca tava tma conta daquês pobre doente mental d'nossa, e também cma cosa daquel, tinha q'contecê na zona moda Praça Strela ondê tinha tcheu lugar scure, mal luminode ô sem luz...

Despos d'tude exe cosa q'passá na sociadade d'terra, em q'pove ca tchá d'fazê sês critca ma reprimenda social....Tude gente, cuntinuá sês vida normal, moda se nada fosse, e sem priucupá mas d'Chiquinha! E, sô Nha Chica, é q'cuntinuá ta longal sê bocode d'cmida, pal ca morreba d'fome!

Barriga d'Chiquinha cumçá ta parcê!... Ma, d'vez inquande, ta tinha sempre um criston, sem gente sabê quem é q'tava tratal, dal bonhe... Cosa q' sô tava contecê qonde ela tava cumçá, ta scorrê quel aga marel pa mei d'perna aboche, q'um tchere q'nem gente ca tava podê stode perte dela!...

Flizmente, q'sô Nha Chica é q'tinha calculode mas o menes quel nove mês, pa data contecimente daquel desgraça q'tinha contecide, la na Praça Strela!... Assim, d'sê prop iniciativa ela ba spiá Marê Roque na Spital!..

. Dia q' Chiquinha dá dor, ês tava já ta speral!... Moda, num spece d'seleçon natural, ela tive quel fidje motche q'nascê dritim e bem forte!... Ma inflizmente, ela morrê d'porte mode trote e sê stode d'fraqueza.

Nha Chica, tma quel menine que fui puste nome d'Ilidio, e criá ta tchmá, sê Mã Chica ma Pa Manel...

Zizim Figuera ( Josè Figueira, junior)

V o l t a r