ROSA CRUCUNDINHA - RAINHA D’UM DIA NA CARNAVAL D’INTINTAÇON DE MINDELO

Uli nôs quaz derriba daquel quadra que tude one no ca ta podê esquecê nem dexá de falá, quonde mês d’Entrude ta bem ta tchegá!

Moda tude nôs sabê, e el ta prop na sangue, é quel mês que na Soncente, moda na tcheu parte de Munde, ta festejode quel Carnaval d’Intintaçon e esse one li el ti ta bem caí dia 8 de Morce, dia d’Entrude lá na Tapadinha... Ó, sorry! De favor bsote desculpame, quê m’divia ter dzide lá na Mindelo, de Soncente Cab-Verd, na tude sê extenson ma dimenson, moda tradiçon ta mandá dês q’um intendê nha nome.

Ver e oiá cmanera que nôs Pove, naquel épca e naquel dia, ta tmá conta de sê cidade, c’aquel força de seriedade, incumbência e liberdade que sempre el impô na preparaçon de sê Carnaval.

Naquês dôs, três ô más Sobede ma Dmingue, antes de Carnaval saíba na lorgue, na rua, já tava cumeçá ta parcê alguns mascrinha pa nimá imbiente. Pa tude banda já ta tinha também quês ensaie de Grupe, que sês cantiga d’escola de samba, na quês quintalona cunchide de pove, que porta fetchode só pa ca dexaba segrede escupli, sei pa rua e tchegasse n’uvide d’otes Grupe rival, pa quel efeite de surpesa pudesse ser maior e pa Grupe pudesse marcá más ponte na show de dia de desfile, cosa que tinha té más importância do que aquel preme!

Também ta tinha quês boie, que já tava estode marcode lá na Lombe na Djacô, na Monte, lá na Iszé de Canda, ma Jon Tulintine, que tava cumeçá ta pô nôs Mindelo nimode ma na rabulice pa tude banda, num fulia de múseca, cor e festa de Carnaval, dum sabura sem igual.

Basta Cize, na expresson de sê cantiga, quonde el ta cantal, ta dzê cma Soncente é um Brasilim, ma mi, Zizim de Figuera, na linha directa de Ponta de Praia, m’ ta dzê cma Brazil é quê um Soncintim e um tem nhas razon pa dzel, quê Carnaval, moda storia de Cavaquim, de certeza passá pa nôs primer, antes de tchegá na Brasil!

De qualquer manera, nôs tude sabê cma entre nôs dôs Pove ca tem maroce na nôs similitude cultural…

Smeme assim, mute gente podê perguntá pamode quem q’um tita dzê assim?! É que mim é dum geraçon em que tude cosa, apesar de ser fete deboxe de pobreza, era fete “C’ AMOR”, e orgulhe prop dum pove ta crê mostrá sê valor. Sobretude naquês bestimenta espontaneo q’era fete pa custurera de terra e que tava identifico’n na tude nôs extenso e explendor, num Carnaval Popular Espontâneo cem por cente verdione.

Hoje em dia, nês Munde pirdide pa denher em que tude cosa é trust, comerce, importaçon, gastode mil e um furtuna p’esse mar aboxe na bestimenta binde de Brazil, num época em que vida cada dia más core, ta ba ta dexo’n pa trás, sem pensá na tude nôs problema social pa resolvê! Ma nhas gente, pa qzê tonte LUXE?!... Samba Tropical / Maravilhas do Espaço / Flores d’Alecrim / Sonhos Sem Limite, etc… etc.

M’sabê cma gente ca ta podê impedi progresse, ma pelo menes no procurá vivê na tude nôs simplicidade que Deus dá nôs, sem mania d’ijgá bola naquel comparaçon de Rã ma Boi, quê nôs tude sabê, cma Carnaval é sempre quel fulia dum dia terça-fera, pra tude si acabá na quarta-feira, moda grande poeta Vinicius di Morais na sê cançon ta reduzil na sê expresson más simples...

Pa quem q’inda ta lembrá e pa quem ca nascê na nôs época, mensaja tita ba li nesse Storinha, só pa lembrança, quê moda Pove ta dzê: - Recordá é Vivê e Carnaval de Mindelo, na Soncente de Cab Verde, moda el na Munde ca tem dôs!!!

Na nha tempe, nôs Carnaval D’Intintaçon simples e espontâneo era sempre aberte pa quel mascra original de nôs terra, por nome de “CHIMY-BOI”. Mascra na sê orija prop Mindlense, que hoje em dia té um crê cma jal ca ta nem ixisti na nôs mei o que é bem triste! Seria bom ressucital!

Era um bestimenta de “Mascra puste dôs grande tchife na cabeça ta imitá BOI, c’um grande enchumace na costa pal fecá cracunda, marrode quel corda na cabeça, guiode p’um cumpanher que tava fecá ta dal de pau naquel cracunda de costa”, assim ês tava bai ta corrê pa rua de Mindelo, num fulia sem fim nem limite, ta corrê na pove, ta fazês fegi ta gritá: - Uiiiii, uiiii, uiiii… Uli, CHIMY-BOI…

Enton, tude gente tinha quel mede de CHIMY-BOI, quê el tava corrê trás dês, cercás té pôs na parede na mei daquês dôs TCHIFONA, ma sem maldade, só pa gente podia betás quel cinque ô dez toston na sê caniquinha pal podia basse bibê quel gruguim, pa ijdal quentá corpe e cuntinuá sê currida naquel nimaçon ta passá pa tude rua de Mindelo quel pudesse!...

Assim, log que Carnaval era lançode, cosa tava ba ta fecá cada dia más sêrie, té tchegá quel grande dia d’Entrude, ondê que Storia de Carnaval na Soncente tava cumeçá, c’aquês BLOQUE tude mute bem ordiode ta rancá c’aquel rivalidade sportive prop de gente de nôs terra c’um força de matá, moda tita bem sigui.

Pa lembrança, beme na mimória quel grande Carnaval de 1958 em que nôs ROSA CRUCUNDINHA, fui RAINHA dum dia!... Conte vai a diante…

Quês Grupe, Flôr Azul, Juvenil, Júnior, Vindos D’Oriente, rancaba cada um que sês grande bloque naquel dia d’Entrude, sempre c’aquel força e esperança de dá sês best, só p’oiaba quem que tava fecá na primer lugar, más pa dignidade e orgulhe de sês grupe do que pa quel denher que tava estode naquês invelope de prême!

Escola de Samba era bem treinode e organizode pa quês malta fixe, moda Ti Goy Caraca, Juvino Sena, Manilim Kips, Funfa, Artur Boxe e tude quês otes q’um ca tita lembrá grinhassim e que na mei de tude quel pobreza de nôs terra, tava cunsigui fazê de dia de Carnaval na Mindelo-Soncente, um dia de VERDADER MARAVILHA!

Naquel tempe de viola e bique, ondê que tude era natural e nada era eléctrique, em que tava uvide de vez inquante Ti Goy Caraca cortá em pleno delíre musical na hora de tocatina de sala de boie, que sê vujinha fine ma forte que nôs tude conchê, ta gritá bem olte quel “Dexá Jazz… Dexá Jazz… Dexá Jazz… pa tude gente uvi.

Enton, múseca tava pará e tava uvide sô quês big batarista de terra de tude tempe, moda Ude ma Ti Goy, ta fazê roncá quel Jazz de sala de boie… num ritme d’Inferre, de panhá li, betá por lá (daquel Stacato) ta fazê tude quel pove suquedí, dançá, suá, té manchê…

Também tinha quês grupe binde de fralda de Mindelo, sem igual nem rival, prop animador daquel Carnaval livre d’expresson popular que tava animá festa e intchí nôs rua daquel ligria bem especial que nôs tude, mnine que gente grande trocolode, tava gostá tonte que nô tava dexá rastá na estera daquel Bacanal!

Quem que podê esquecê quel famose “Grupe de Mandinga” d’expresson popular, dirigide pa nôs grande “Comandante” Capote ma Djê de Monte Sussegue, tude pintode de prete, c’aquês pininha na cabeça e sês sainha tanga fete de corda ma flaça, num desfile cumpanhode de Chimy-Boi pa diante, que sês dôs tchifona t’abri camim pas podia avançá, quê pove, chei d’admiraçon, tava cercás e ca tava dexás vançá mute na sês carrera, sô pas podia durá c’aquel show la naquel rua ondê quês tava estode que pove ta rufenás denher...

Pa trás dês, ta cumpanhás, num crintchantchan sabim pafronta,tava bem quel grupim de bantche, cavaquim, viola de dez corda, violão, pander, té cuica, na tocatina daquel musequinha sabim, tradicional, de tude tempe que nô ta custumá d’uvi sô na nôs terra quê el ê prop de nossa, que sempre nimá Carnaval e que tude criston té inda ta conchel naquel ritme de:

- Ó mascrinha… ó mascrinha… mascrinha de cú pelode!... élode… élode … élode… élode… élode!!! P’às Pomba… p’às Pomba… p’às Pomba… ca tem batata!!!

M´ti ta ta ba nha camin p’às Pomba… quê p’às Pomba ca tem arroz!!!

Tude esse muvimente rudundim, siguide pa quel barulhe de espada de ferre rastode na tchon que faísca de lume ta saí pa tude banda, orientode pa nôs Grande Comandante Capote ma sê inséparavel cumpade Djê, t’ijgá quel duel na rua c’uns cara mau, sempre na ritme daquel músequa e que sês espada de ferre na mon, sempre ta grità quel:

- Arredááá… arredááá… arredááá…

Cosa que tava pô, menine que gente grande, mede na corpe trançode de curiosidade, ta bai ta bem, sempre ta saltá e ta dançá na son daquel musequinha mascrinha de Carnaval!

Despôs era quel guerra de malta ta dá cumpanher de farinha té psú, que tude gente sabia, ma na mei daquel ingrenaja ninguém ca tava chatiá ô fazê cuidode, quê ca tinha tempe nem pa tmá ô dá fê, quê farinha tava tchegá derriba de gente pa surpresa e soluçon era sô defendê pa despôs dá também.

Tude one, e m´ta pensá que té hoje em dia, quonde ta tchegá esse época, tude gente na nôs terra ta dexá levá p’esse onda de fulia e ligria prope de nôs Carnaval d’Intintaçon. Só é pena que nô perdê tcheu daquel originalidade prop de nôs Carnaval dum vez… Ma se gente querê té inda nô podê torná cendê quel chama.

Tude one, na Carnaval daquel tempe, sempre ta tinha um storia que tava marcal que força na sê passája!… Assim, pa lembrança, uli um storinha daquês que marcá quel one de 1958...

Quel one lassim, parcê na rua de Soncente um Bloque surpreza, que ninguém tava ta esperá, por nome de Dô-Di-Dô-Dô-Di-Quá, organizode pa quel grupe só de mnine traquine, moda Portela, Tchalense, Lexandre de Nhô Toi Lulú, Maika Barronque, Muchim de Faria, Hilas Miranda e más otes malta fixe.

E, pa sês RAINHA DE CARNAVAL, c’um coroa na cucuruta de cabeça, sentode num cadera de paia, derriba dum padiola puste n’andor, s’um perguntaba bsote, bucis ca tava nunca duvenhá quem era?! Apôs, menis, n’era nem más nem menes que nôs ROSA CRUCUNDINHA, que sê 1,50 m (um metre e mei) d’altura, tude feliz de sê vida, lá derriba na TOP daquel cadera sempre ta saná sê Pove!!!

Que Grupe Dô-Di-Dô rancode bloque na sês marcha que Tonyzona pa diante, ta tocá naquel tamborona que força, siguide p’um data de gente, num ritme infernal sempre ta gritá quel:

- Dô-Di-Dô-Dô-Di-Quà… Parafú Di Polegá… iú peré, vinte milré...

Nôs ROSA CRUCUNDINHA, lá na olte de sê padiola, tude bajofa, basta quel dia té um gron d’arroz n’tá quebel ne cêsse, sempre ta saná gente, da lá derriba na sê tamanhim, num gritaiada olte pafronta, só pel pudia tchemasse atençon de pove, pas pudia oial RAINHA na olte de sê pedestal, que sê goela séc sô ta gritá:

- Ó Menis, ulim li!!!... Hoje mi é quê bsote RAINHA, que certeza!!!...

Grupe Dô-Di-Dô, dá uns data de volta pa rua de cidade de Mindelo, sempre que sês RAINHA na TOP pa trás dês n’andor ta cumpanhás, té quês ma tude quel pove tchegá lá pa lode daquel lorgue de pracinha de Dator Regala e padaria de Nh’Antone Djudjim, lá na boca de Canalim perte de casa de Rosa!

Basta naquel dia, se tchon tava abri, ROSA CRUCUNDINHA ca tava entrá nem quebê lá dentre, porque de vez inquante, cma el tava na sê área, pa dá show el tava cuntinuá ta gritá pa sê assistência:

- Ó nhas gente, já bsote oiá, moda pove ta dzê, ninguém nesse munde é bedje pa furtuna!... Apôs e, moda bsote ti t’oiá hoje mi é quê bsote RAINHA NESSE CARNAVAL D’INTINTAÇON de certeza que firmeza! Quê manhã é ote dia!!!...

Pove sempre ta dal corája, sempre ta tocal palma e t’apoial de vez inquante c’uns grite de BOA ROSA... BOA ROSA!… Era palma e más palma que ca tava cabá, quê lá era sé rua, sê casa, sê área, sê pove e sê grande upurtunidade de tude um vida vivide, inda más num dia daquel, em que tude cosa, tava ta corrêl sabim p’afronta!

Ma show, quel hora, inflizmente ca durá mute, quê uns vezim amigue de ROSA bem pa depressa ta corrê da lá de funde de Canalim ondê q’ela tava morá, bem alertal, ta dzel:

- Ó Rosa, hoje já bô psú!!!... Que bô que Stora desse Carnaval d’Intintaçon, bô sei na bô sabura de BLOQUE de DÔ-DI-DÔ e bô esquecê de fetchá bô porta de casa e, tude bôs “GALINHA” já sei pa rua!

Cuitada de ROSA CRUCUNDINHA, sês galinha é q’era sê sustente, c’aquês ovim quês tava pô tude dia e q’ela tava ba vendê na porta de Plurim de Virdura… Assim, c’aquel mau nutícia, ela vrá de tude côr, quaz té quel tava dá um ATAQUE DE FINIQUITE.

Enton, ela chei de raiba, c’um tristeza ma angústia trançode na corpe, sebí derriba de sê cadera de paia, ondê c’uns hora antes el era RAINHA, ela abri um pite na guela de tal manera, té que tude gente pará p’uvil, bloque té pará vrá silenciose, quê raiba bodzê tinha ela aumentode volume de sê voz. Enton, ela gritá bem olte, pa tude pove uvi e ninguém c’ arri:

- Ó Deus, ó Deus, sum c’otchá nhas galinha, hoje é quê quel dia!... Quê Senhor CARNAVAL é que ti ta bem paga’m tude ês!!!

Log qu’ela cabá de falá, tude quel pove largá t’arri naquel lorgue e lá nôs ROSA CRUCUNDINHA esquá de cabeça !... Quê tinha uns minutim antes ela tava tude feliz… De rapente, ela vrá mau de munde e pô ta descompô tude gente, ma quel BLOQUE que tava ta bá ser sê desgraça!... Enton, ela largá pa depressa pa sê casa, ma inflizmente jal c’otchá sês galinha, o que fui log um desuspere, trançode dum profunde tristeza. Ma, nôs ROSA CRUCUNDINHA, valente moda el era, ca tchorá!

Na fim de tude sê Storia, ela té é que bem fecá ta ganhá, quê Portela ma tude quês moce e tude quel Pove de Bom Coraçon, que tava conchê vida de ROSA ma sês ove de galinha, juntá, ês bai na dia siguinte leval três galinha ma um Gole de Pescoce Pelode!

Basta dá ROSA CRUCUNDINHA vrá oie azul té tchorá de ligria quonde el oiá Portela ma tude quel pove ta bem ta tchegá, c’aquês bitche na mon!... Ela fecá tão feliz e emucionada quel ca tive más nada pa dzês, senon sende um:

- Ó menis, ubrigada!… mute ubrigada, mil vez mute ubrigada!... Inda más quês graça q’um tinha de tem um Gole de Pescoce Pelode… Hoje, sim! Hoje já bsote fazê bsote ROSA sabe e já quê assim, enton viva NÔS CARNAVAL D’INTINTAÇON e, one que ta bem, bsote podê conta que mim, quê ulim li pronte pa ote, se Deus quiser!!! E, VIVA NÔS TUDE!!!

ZIZIM FIGUERA (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Zizim, Sopube pelo amigo Pina que estas sem computador por isso nao pudeste enviar a PARTE 2 da semana pâssada. Mas ca ficamos a espêra. Estive preocupâdo com tua saude mas vi aue enviasate esta Storia da Rosa que vem a proposito. Pois ela e sempre de actualidae com o nosso CARNAVAL TA'I... Como sempre todos adoramos, festejamos e rimos um bom bocado com esta da nossa grande embelmantaica ROSA CRUCUNDINHA. Abs de Sidney-Autralia de Terencio e a Malta fixe. Terencio

Terencio Lopes             terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro Zizim de Tidjµo Figuera, RECODA Ê VIVÊ. e a gente nunca se cansa dessas boas e sas lembrancas em que tudo era feito sem dinheiro nem ganacias ou concurrencias. Infelizmente os tempo mudam mas tenho a impressao ca na terra para pior. Saude e um abraco. Guey

Miguel M.Monteiro           lucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Sr Zizim, Esta storzai e sempre admiravel e a mae e eu ja nos divertimos imenso e ja nops fartamos de rir. Haja saude e um foret abraco nosso Suelly

Suelly Fonseca               suellyfonseca@gamil.com


Comentário:

Muito bem colega, tambem vou chegando para vir passar este CARNAVAL ca na TAPADINHA nas calmas depois de 16 anos junto do meu povo. Obrigado pela cronica. Espero um dia conhece lo. Pois ca el casa as suasa ronicas sao todoas compuiladas. UM REGALO. Um abracao Helder

Helder MORAIS                    hmorais@yahoo.com.br


Comentário:

Bravo Zizim, Como sempre adorei e vivi mais um pouco a nossa terra Soncent Cabo Verde.Saude e forca sempre nh'irmon. Rijo abraco Alvaro

Alvaro Mirtanda                 amiranda@gmail.com


Comentário:

Caro Djô Um dia dmingue sem bô nesse Liberal que bôs sturinha sabim e lmoda um dia sem Sol. Bö ta nima gente sempre e ta done coraja li p'esse stranger desiompârode. Ubrigada e um forte braça de mi ma tude gente de casa e dali de nos Bairo auie ta adora bos sturinha. Lutchinha

Marai da Luz C.              lutchinha@hotmail.it


Comentário:

Oh . (irmao das nossas comunidades) - esse rendez-vous do dimanche - que jà nos habituastes e pela força das coisas ,jà nao podemos viver sem as tuas cronicas ,razao pela qual , mesmo que seja uma estoria publicada ( duas vezes ) é sempre bem recebido pelos colunistas que adoram os teus artigos. A historia da vida de Rosa Caracundinha , so os mindelênses e sobretudo aqueles que viveram as geraçoes , 40 /50/ 60 , em Cabo Verde, podem testemunhar o valôr daquela mulher , no meio sao-vicentino !.. Infelizmente ,- irmao das nossas comunidades- os valores tradicionais do nosso pais , estao sendo despresados ,estao sendo esquecidos , por aqueles que desconhecem a importância do valôr tradicional , no progresso do nosso pais . Aquele abraço do teu ( irmao das comunidades ) Um Criol na Frânça ; Morgadinho !.

Joaquim ALMEIDA              soalmeida@free.fr


Comentário:

Zizim NÔS CARNAVAL D’INTINTAÇON pode ser um filão para S. Vicente e Cabo Verde. Agora é preciso criar condições socio-económicas nomeadamente sagurança par se explorar melhor este sector da actividade.

Jose F Lopes               jflopes@ua.pt

V O L T A R


Comentário:

Dear brother Zizim, Para nos alegrar o espirito nessa longínqua diáspora australiana, nada melhor podias ter feito que de teres lançado esta riquissima Storia como abertura do nosso Carnaval D'Intintaçon sem igual nem rival, embora muito imimtado mas nunca igualado, porque ele tem uma Alma e Alma não se compra nem com dinheiro. Recordar é viver e Mindelo lá continua no TOP com seu Carnaval original bem cosmopolita e Universal sem nenhum aspecto concorrencial. Pois todo aquele que ali vai será absorvido no turbilhão do nosso Bacanal que é o Carnaval. "E viva quel Gole de pescoce pelode de Rosa Crucundinha!!! E Viva nos Carnaval D'Intintaçon!!! Ca nô dexá Cultura de nô terra Soncente morrê.Parabens e obrigado Zizim. Abração de todos nós. Terencio

Terencio Lopes        terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Antes de mais um bom dia para ti. Gostei muito de ver esta estoria de novo. Está mesmo a propósito, é uma das que mais gosto e quando a leio sempre penso que o que é mais genuino é o divertimento e a alegria simples que vem do fundo da alma. Os grandes festejos, as fortunas (mal) gastas no esplendor do Carnaval são quase obscenas para mim. Quanto não valeu a alegria da Rosa, alma simples, que vivia das suas galinhas e da venda dos ovos e a quem o Carnaval quase ia arruinando! Mas Deus não esquece os seus filhos e ela foi ajudada a manter o seu sustento. Sempre gosto desta estoria, no seu narrar de um Carnaval genuino e popular, com a alegria que vem do fundo do peito, sem esplendor nem ostentação, e que tão bem mostras aqui, nestas figuras de outrora, que nao ficaram na Historia mas são quem faz a Historia de um povo. Ah... porque tudo se acaba na quarta-feira....?! Continuação de um bom domingo e grande abraço do amigo de sempre Armando

Armando Ferreira        armandoferreira@hotmail.com


Comentário:

Dear Brother, Desculpa focar um pormenor que como leitor das tuas ricas histórias julgo tivesse merecido um lugar nessa última tua rúbrica. Apenas uma opinião pessoal de quem tem sido merecedor do teu respeito e boa amizade, sem qualquer intuito de criticar as tuas famosas e interessantes histórias. Será que devias também ter incluido num dos teus parágrafos o nome do nosso saudoso Pedro Comparaçon, um apaixonado que sempre participou nos desfiles carnavalescos e que muito contribuiu para a alegria do povo mindelense? Mantenhas do irmão de sempre A. Medina

Antonin Medina            antoninmedina@rcn.com


Comentário:

Zizim, Olha, por causa do tempo que ás vezes não tenho, eu costumo levar as sturinhas da semana para casa e ler depois. Mas esta,vou ter de a ler aqui, e, não só, vou manda-la para a mana Biota, porque ela era MNININHA BNITINHA da ROSA CRUCUNDINHA. Oh moce, bô ê prop bom !!! Ja'm vivê uns momente que ca tem prece!!! Esse ê qu'era Carnaval qu'um ta lembrá, aliás ês tava dzê naquel tempe Dia d'Entrude!!!Quaz tude gente, que bô mencioná li na storia m'ta lembra dês tude. Mas especialmente de ROSA CRUCUNDINHA.Nha mãe, que tava vivê na Rua d'Antone Nola, Rosa tava adoral.Enton quonde nha pai embarca nha mãe p'Argentina....... a Rosa ficou com aquela dôr na alma, d'oiá filhas de "Maninha filha Ti Antone, irmã de João de TELEGRAFO" ta bai pa terra longe, e ta dexá fidje pa trás. Assim, Rosa tinha uma loucura pa nôs, mas especilamente para a Biota, porque ela era a babysitter da Biota. Rosa e sê irmã, quonde m'conchês, ês tava morá na Olte de Nho Lele pa banda de de Dona Tanha e Sr. Ricardo pais de Nini e John Pexe. Ma depôs ela bem pa canalim de Nhô Antone Djudjin. Esse STURINHA ta prop sabin, sabe pa fronta. OBRIGADO MERCI MUCHAS GRACIAS THANKS A LOT I LOVED LOVED IT. CONTINUÁ, TA DA TUDE nos "que tem esse posiblidade de recebe es sturinha "esse grande prazer semanal. Beijinhos Sivi

Sivi Almeida                  SAlmeida@Lifespan.org


Comentário:

Caro primo, esta superou as medidas. Bravo! É tudo do meu tempo, que lembro com muitas saudades. A propósito, penso que o Chimi-boi é uma corruptela de "limpa chaminés", profissão que ainda hoje existe em Portugal.Quanto ao Dô-di-dô-dô-di-qua, dizia-se que teve origem na loja do Blá. Saúde sempre e muita força! Um rijo abraço Gui

Aguinaldo Wahnon               guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Se diz:Maravilhoso, Wonderful,Underwar, Marabidjosso etc... E toda adjectivação é pouca para classificar essa tua linda Storia que neste periodo do ano nos faz vibrara e encher o coração de saudades de não podermos estar lá em Soncente para vivermos com o nosso povo o bem nosso Carnaval D'Intintaçon.Acredita que com essa Storia revivi e estou revivendo Soncente mergulgado naquel bacanal caranavalesco de CARNI... VALE onde na terça-feira a folia atinge o ser PAROXISMO deixando pairar noa ar um odor bem forte de esperma e sangue, como lá dizia Ernest Heminguay de fornication and drink. Bravo Zizim pela tua obra muito bem escrita na nossa lingua cabo-verdiana. Feliz Carnaval e até á próxima. Fraterno abraço Nelson

Nelson Fernades                   nelsonfernades@live.com


Comentário:

Sr Zizim, A mãe e eu adoramos tanto que lá fomos ontem a um super baile de máscaras da nossa comunidade caboverdiana que esteve muito bom. La ouvi a tal musica de Mascrinha que não conhecia e adorei. Junto á mãe que me confirma tudo, quanta coisa não tenho aprendido consigo sobre a nossa terra Soncente de Cabo Verde. Obrigado por tudo e forte abraço nosso. Suelly

Suelly Fonseca                 suelly.fonseca@yahoo.com.br



Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Esse sturinha ta sabin nem um pápa c'lete. Onte nôs grupe desfilá na Rua de Lisboa e terça ê Samba Tropical. Carnaval T'Aí ti ta prometê apesar de tude esse MISERIA aue ta prei. Ma qsê que bô querê el más forte que nôs. Moda Criol ta dzê: DEPÔS DE SABE MORRÊ CA NADA!!! Feliz Carnaval e um braça tamonhe de Munde. Guey e Malta

Miguel M.Monteiro              mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Um Sturinha prop bunzin pa intchi'n coraçon de ligria e sodade daquel Carnaval D'Intintaçon prop de nossa sem igual nem rival, inda más qu'esse Sturinha de Rosa Crucundina qu'um ta conchê bem escrite num criol bnitim escantchim pa nôs grande Zizim Figuera. Paraben irmunzim e força sempre na canela quê nô ta djunte. Um braçona Liz

Liz Cabel                    lizcabel@hotmail.com


Comentário:

Oh !..Irmao das comunidades; Êsse carnaval d'intentaçon,êsse carnaval de 2011 ,ê um carnaval ,-moda gente d'agora tâ t'chmà ... (catchupa rica)... porquê gente tâ pol ,tude espece de ingrediênte!... Jà câ ê .. catchupa tradicional ... E mesma côsa qu'êsse carnaval d'agora !...Carnaval d'agora é ,um carnaval rico !..Com prémios fabulosos, Jà qu'â ê qu'êl carnaval d'ôtrora. Carnaval d'otrora, tava durà ,um mês ,catinha d'nhêre pâ comprà rôpa,tava emprestôde, calça prête, mute na moda naquêle tempe ,camisa branca tambêm ,gravata preta, tava usôde mute turbante, pâ fazê grandes côrre com andôres, andôres naquêle tempe, era corre de mula,enfeitôde; carroçaria de corre bêdje, padiola, tambê, tava servi; mà era um carnaval, chei de aligria, bem animôde e câ tàva pensôde na prémios, porque nem sequer catinha prémios. CARNAVAL D'AGORA NA SAOCENTE, CA E MAS RICO QUE CARNAVAL D'OUTRORA, NA SE LIGRIA !... UM TA POSTA, MA QUALQUER UM !..... Um Criol na Frânça ...Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA              soalmeida@free.fr


Comentário:

Z.Figuera, A mensagem está bem clara nessa Storia para quem sabe ler nas entrelinhas. Os teus artigos teem sempre aquele bom impacto na malta por serem coisas vividas de perto e que todos nós podemos justificar. Digo isso porque há sempre individuos de boa e má fé neste mundo que ás vezes até só falam por falar sem terem conhecido a essencia da nossa convivência popular. Porque no fundo todos somos o Povo. Parabens por essa excelente Storia que lá vai metendo gentes na História do nosso Soncente Cabe Verde. Lindinha

Ermelinda Barros           ermlindabarros20@telefort.nl

V O L T A R